INGLATERRA 6 x 2 IRÃ. Na primeira goleada da Copa do Mundo de 2022, nesta 2ª feira (21), com arbitragem do brasileiro Raphael Claus, o jogo teve 24 minutos de acréscimos, 14 no 1º tempo, porque o goleiro Beiranvand, do Irã, saiu com o nariz sangrando, após choque forte, aos 9 minutos, com seu próprio zagueiro Hosseini.

JUDE BELLINGHAM, volante de 19 anos e 145 dias, abriu o placar aos 35 minutos, tornando-se o segundo inglês mais jovem a marcar em Copa, depois de Michael Owen, aos 18 anos e 190 dias, na Copa de 98. Bellingham é o primeiro jogador nascido no século 21, em 29 de junho de 2003, a fazer gol em Copa do Mundo.

BUKAYO SAKA, atacante de 21 anos e 77 dias, fez o 2º aos 43, e o 4º, aos 17 do 2º tempo, tornando-se o mais jovem a marcar dois gols em estreia na Copa do Mundo. Ele bateu um recorde de 14 Copas do volante Franz Beckenbauer, aos 20 anos e 304 dias, na 8ª Copa do Mundo, em 1966, quando a Alemanha foi vice-campeã. 

OS EXPERIENTES Sterling, Rashford e Grealish fizeram os outros gols da Inglaterra: “O bom futebol que mostramos pode melhorar na sequência da Copa”, resumiu o técnico Gareth Southgate, de 52 anos. Os gols do Irã foram de Mehdi Taremi, de 30 anos, o segundo ao converter o pênalti que sofreu do zagueiro Stones, que o puxou pela camisa. 

  • O ÁRBITRO Raphael Claus, de 40 anos, estreou em Copa do Mundo marcando 23 faltas, 14 do Iran, que teve os dois únicos advertidos com cartão amarelo. Os 14 minutos de acréscimos do 1º tempo foram pelo atendimento ao goleiro, e os 10 do 2º tempo, pelas 10 substituições e por uma consulta ao VAR.
  • O TÉCNICO PORTUGUÊS Carlos Queiroz mostrou-se irritado na entrevista após o jogo em que a seleção do Irã saiu vaiada: “Não precisamos de torcedores que só apoiam quando vencemos. É melhor que fiquem em casa”. Os torcedores se revoltaram porque os jogadores não cantaram o hino nem comemoraram os gols.
  • OS JOGADORES disseram que terão o mesmo comportamento nos jogos restantes da Copa, por não concordarem com a repressão que as mulheres iranianas vêm sofrendo. Torcedores levaram faixa e alguns casais vestiam camisa com os mesmos dizeres: Women, Life, Freedom (Mulheres, Vida, Liberdade).
  • VÁRIOS SEGUIDORES da seleção disseram que “a situação no Irã é complicada e as mulheres continuam perseguidas”. De acordo com os comentários de alguns torcedores, “a onda de protesto já matou mais de 300 pessoas”. A Constituição de 1979 fez do Irã uma república teocrática islâmica.

  • OS JOGADORES INGLESES mantiveram o protesto que mantêm antes dos jogos da Premier League, quando se ajoelham no gramado. O capitão Harry Kane disse que “ainda é um protesto pela morte de George Floyd, sufocado pelo joelho de um policial”. Floyd morreu em maio de 2020, em Minneapolis.
  • O HINO DA INGLATERRA foi cantado pela primeira vez pelos jogadores, com a troca de queen (rainha) por king (rei), após a morte da Rainha Elizabeth. É a primeira mudança na letra, desde a 4ª Copa do Mundo que os ingleses disputaram no Brasil em 1950.
  • NA BRAÇADEIRA de capitão, Harry Kane não usou a mensagem “One Love” (Um Amor), em apoio à causa LGBTQIA+, devido ao comunicado da Fifa de que os capitães que usassem seriam advertidos com cartão amarelo, antes de a bola rolar. A Fifa decidiu antecipar a frase “No Discrimination” (Sem Discriminação”), que só utilizaria nas braçadeiras a partir das quartas de final.

Fotos: Lance! e Reuters