O atacante brasileiro Diego Costa, de 30 anos, naturalizado espanhol em 2013, foi suspenso na tarde desta quinta (11) por oito jogos pelo Comitê de Competição da Real Federação Espanhola de Futebol, por insultar o árbitro Jesus Gil Manzano na derrota (2 x 0) para o Barcelona, no último sábado (6), no estádio Camp Nou. Enquadrado em dois artigos do Código de Conduta, Diego Costa foi punido com quatro jogos por ofensas e quatro jogos por uso de violência classificada como leve contra o árbitro.

FORA DO RESTANTE – Como só faltam sete rodadas para o final do campeonato, Diego Costa só voltará na temporada 2019-2020. O atacante de Lagarto, interior de Sergipe, está em sua segunda passagem pelo Atlético de Madrid, com 76 gols em 179 jogos, e optou pela cidadania espanhola para jogar pela seleção, como aconteceu nas Copas do Mundo de 2014 e 2018. Ele se animou a ser cidadão espanhol depois de sentir que não teria chance de jogar pela seleção brasileira.

PRESIDENTE CRITICA – Quando a maioria dos repórteres pensava que o presidente do Atlético de Madrid fosse se revoltar com a punição de oito jogos, Enrique Cerezo Torres, madrilenho de 71 anos, produtor de cinema de muito sucesso, reagiu tranquilo: “O insulto é inaceitável e só parte de pessoas temperamentais”. Ele preside o clube desde 2002 e disse que “o Atlético é uma instituição que preza pelos valores morais e não tolera atitudes assim”, mas garantiu que o jogador continuará no clube.

DIEGO COSTA está na Europa desde 2006, quando começou no Sporting de Braga e foi emprestado a cinco times, até ser vendido em 2014 ao Chelsea, de Londres – 120 jogos, 59 gols -, quando o Atlético de Madrid recebeu 32 milhões de libras, o equivalente a R$120 milhões. Ele foi o único jogador a fazer sete gols nas quatro primeiras rodadas do Campeonato Inglês, superando o argentino Aguero, que marcou seis. Diego voltou ao Atlético de Madrid em 2018.

Foto: Just Football News