No primeiro jogo após ganhar o título, com o recorde de sete rodadas de antecedência, o campeão Liverpool foi “homenageado” com os aplausos da Guarda de Honra do Manchester City, ao entrar em campo nesta quinta (2), no Etihad Stadium, mas saiu com o gosto amargo de 4 x 0. Há três anos o Liverpool não sofria tantos gols, desde os 5 x 0 que levou do City, em 9 de setembro de 2017. Até então, o Liverpool não perdia por quatro gols desde 1937. Na língua inglesa, a expressão criticize then praise corresponde ao nosso morde e assopra, quando alguém critica e em seguida elogia.

SHOW DO CAPITÃO – O volante belga Kevin De Bruyne, capitão do City, completou 29 anos no último domingo (28) de junho e foi o show dos 4 x 0 no Liverpool, antes mesmo de abrir o placar aos 26 minutos, convertendo com categoria o pênalti de Joe Gomez em Sterling, a quem deu assistência para o segundo gol aos 36, e participou do terceiro, marcado por Phil Foden, aos 46. O quarto gol foi contra do zagueiro Oxalade-Chamberlain, aos 22 do segundo tempo.

KEVIN DE BRUYNE, ambidestro, 1,81m, completou nesta quinta (2) 54 gols em 213 jogos, desde junho de 2015, quando se tornou o jogador mais caro da história do Manchester City, que pagou 60 milhões de libras – moeda mais valorizada do mundo -, o equivalente a R$400 milhões, ao Wolfsburgo, de onde saiu como o melhor do campeonato alemão. Titular da seleção da Bélgica desde 2010, fez o gol, de fora da área, que eliminou o Brasil da Copa do Mundo de 2018.

RECORDISTA – Faltando seis rodadas, De Bruyne, com 17 assistências, com certeza vai ultrapassar o recorde de 17 anos do francês Thierry Henry, que deu 20 assistências na Premier League de 2002-2003, quando era do Arsenal, de Londres (369 jogos, 226 gols, entre 1999 e 2007). No conceito da maioria dos analistas ingleses, ele foi o melhor jogador da história do Arsenal. Tanto quanto De Bruyne na Copa de 2018, o gol de Thierry Henry eliminou o Brasil na Copa de 2006, enquanto Roberto Carlos amarrava as chuteiras…

OS GOLEIROS – City 4 x 0 Liverpool foi o jogo dos goleiros da seleção brasileira. Alisson, o titular, não teve culpa nos quatro gols. Ederson, o suplente, pouco exigidoGabriel Jesus, substituído pelo argelino Mahrez, e Roberto Firmino, substituído pelo belga Origi, foram atacantes sem brilho. O volante Fabinho, muito aquém de bons desempenhos anteriores. O egípcio Salah acertou a trave ainda em 0 x 0, e o City poderia ter repetido os 5 x 0 no minuto final, mas Mahrez estava em impedimento ao fazer o gol.

OS TÉCNICOS – O espanhol Guardiola e o alemão Klopp trocaram cumprimentos e sorrisos, antes e depois dos 4 x 0. No jogo 19 do confronto entre ambos, Guardiola ganhou o oitavo, mas a vantagem é de Klopp com nove vitórias, além de dois empates. O Liverpool mantém a diferença de 20 pontos sobre o City (86 a 66), que consolidou a vice-liderança, abrindo 11 pontos sobre o Leicester, terceiro com 55, que disputa com Chelsea (54), Manchester United e Wolverhampton, com 52, as outras duas vagas de 2020-2021 na Champions.

853 ACERTOS – City e Liverpool acertaram mais que erraram nos passes. Dos 853, o Liverpool acertou com 405 e o City, 408. Das 15 faltas, o Liverpool cometeu 7. Os laterais Walker e Mendy, do City, foram advertidos com cartão amarelo, por faltas normais, e o apoiador Henderson, o único do Liverpool, em atuação sem problema do árbitro Anthony Taylor, de 41 anos, que apitou as finais da Copa da Inglaterra de 2015 e 2017. 

Foto: Liverpool Echo, Correio24horas, Machester Evening News, A Bola e Sapo Desporto.