No país onde os irresponsáveis estão apressados, muito apressados para que a bola volte a rolar, 19.951 novos casos da pandemia do novo coronavírus foram registrados em 24 horas, um dia depois de terem ido a Brasília, anteontem (19), para revalidar o pedido de urgência. Foi uma nova e triste demonstração de desprezo ao ser humano. Cartão vermelho neles!

RECORDE – Em um só dia, o número é superior ao de todas as contaminações registradas no Japão, Israel, África do Sul e Colômbia, desde o início da pandemia, em março. O recorde leva o Brasil a ter 291.579 infectados (casos confirmados), provavelmente algo sem importância para os que só pensam na volta dos jogos, após “desprezíveis” 18.859 mortes.

RIO, 3.237 – No Rio de Janeiro, sede dos apressados Flamengo e Vasco, são “apenas” 3.237 mortes e “só” 30.372 casos confirmados de infecção. Mas isso é irrelevante, como voltar a treinar em grupos, sem manter distância, descumprindo determinação do município. Se o país está em descontrole, o que esperar de um município que mistura religião com política?

CONTRAMÃO – No mesmo dia em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que a cloroquina não tem eficácia comprovada contra a Covid-19 e pode causar efeitos colaterais, o Ministério da Saúde liberou o uso do medicamento para todos os pacientes com a doença provocada pelo novo coronavírus.

POUCO IMPORTA – Se o futebol do Rio está nas mãos de irresponsáveis e inconsequentes, nada surpreende que, mesmo sem a assinatura de responsável médico, a mudança de protocolo tenha sido autorizada pelo Ministério da Saúde, que resumiu: “A liberação da cloroquina foi pelo clamor da sociedade”

NEM AÍ – Nem mesmo a advertência da comunidade científica internacional, composta por médicos de reconhecida competência, de que “o uso da cloroquina pode provocar graves e irreparáveis efeitos colateraisé capaz de ser ouvida. Se o Ministério da Saúde se referiu ao clamor da sociedade, o presidente da República bradou: “Estamos em guerra.

DESGOVERNADO – Não é só o futebol, como disse ontem (20) o ministro Rogerio Schietti Cruz, do Superior Tribunal de Justiça, ao indeferir pedido contra o isolamento social em Pernambuco, e afirmar, com todas as letras: “O Brasil continua desgovernado na área da Saúde”. O ministro disse ainda, referindo-se a Trump e Bolsonaro: “Além deles, nenhum líder nacional se coloca, de modo ostensivo e irresponsável, contrário às orientações científicas”. Pernambuco é o segundo estado do Nordeste com mais mortes: 1.741.

CHOCANTES – As cenas de descaso com a saúde do brasileiro, de Norte a Sul, são chocantes. Os ministros que se opõem, pagam com a demissão. Regina Duarte, secretária de Cultura, aos 73 anos e com nome a zelar, saiu após 77 dias. A instabilidade assola o país e provoca insegurança em todos, sem perspectiva. Nada surpreenderá se o futebol recomeçar amanhã.