Ao vencer o Goiás (2 x 0), na noite de ontem (7), na Arena Corinthians, em jogo atrasado da sétima rodada, o Corinthians subiu duas posições e é o novo quinto colocado do Brasileirão 2019 com 23 pontos, ultrapassando São Paulo (21) e Internacional (20), e a nove pontos do líder Santos (32). Foi a quinta vitória – quarta em casa – e o sétimo dos 13 jogos em que não sofreu gol. R$1.307.624,00. 34.595 pagantes, em noite de tempo bom.

BOM DIZER – O jogo do São Paulo com o Atlético Paranaense, da décima terceira rodada, foi adiado para o dia 21, de vez que o Atlético foi ao Japão disputar a final da J.League/Conmebol e goleou (4 x 0) o Shanon Bellmare, com os gols de Marcelo Cirino, Rony, Thonny Anderson e Braian Romero, na tarde de ontem (6). Foi o placar mais elevado em doze edições da final do confronto do campeão da Copa Sul-Americana com o campeão da Liga Japonesa.

UM EM CADA – O Corinthians mereceu vencer, após domínio na maior parte do jogo, principalmente no primeiro tempo, apesar de ter levado bola na trave em chute de Kayke, aos 19, e de o Goiás ter tido um gol de Michael, aos 29, bem anulado pelo VAR por impedimento. O gol de Júnior Urso, aos 25, com chute forte no ângulo, foi após boa troca de passes de Fagner, Gabriel e Clayson.

SEM PÊNALTI – A maioria dos torcedores do Corinthians pediu pênalti de Rafael Vaz em Mateus Vital, aos 43, mas o choque foi casual. O árbitro Bruno Arleu Araújo, da Federação do Rio de Janeiro, não marcou e teve a seguir a confirmação do VAR. Mateus Vital, ex-Vasco, sangrou muito e teve que usar touca (branca no primeiro tempo e preta na volta do intervalo). O primeiro tempo registrou 10 faltas, só três do Goiás.

BOA ATUAÇÃO – O Goiás perdeu, mas teve boa atuação. Dirigido pelo preparador físico Robson Gomes, técnico interino, após a demissão de Claudinei Oliveira, domingo (4), depois de sofrer dois 6 x 1 em duas semanas, para Flamengo e Santos, o Goiás atacou e mandou a segunda bola no travessão, em chute de Kayke, aos 22 minutos.

COM PÊNALTI – O Corinthians confirmou a vitória aos 41, em cobrança de pênalti do argentino Mauro Boselli, com chute forte, no alto e no meio do gol. Após ser driblado por Júnior Urso, que fez sua melhor apresentação no atual campeonato, o zagueiro Rafael Vaz tocou com a mão na bola. O árbitro consultou o VAR e confirmou.

CORINTHIANS – Cassio, Fagner, Gil, Manoel e Carlos Augusto; Gabriel, Júnior Urso (Mateus Jesus, 43 do segundo tempo), Mateus Vital (Jadson, 17 do segundo tempo) e Pedrinho; Clayson (Everaldo, 33 do segundo tempo) e Mauro Boselli. Técnico – Fabio Carille. Quinto, o Corinthians soma 23 pontos – 6 vitórias, 5 empates, 2 derrotas, 15 gols a favor e 8 contra – e joga domingo (11) com o Internacional, às 11 horas, na Arena Beira Rio, em Porto Alegre.

GOIÁS – Tadeu, Daniel Guedes, Rafael Vaz, Fabio Sanches e Jeferson; Leo Sena, Yago Felipe e Geovane; Michael (Brandão, 38 do segundo tempo), Kayke (Rafael Moura, 23 do segundo tempo) e Leandro Barcia (Renatinho, 16 do segundo tempo). Técnico (interino) – Robson Gomes.

NEI FRANCO VOLTA – Pouco depois da derrota para o Corinthians, o Goiás anunciou a volta do técnico Nei Franco, que assume no jogo do próximo domingo (11) com o Vasco. Ele foi o treinador que classificou o Goiás para a Série A em 2018, e retorna três semanas depois de ter sido demitido pela Chapecoense, após os 4 x 0 sofridos para o São Paulo.

NÃO CAIU – Mesmo  com a sexta derrota, o Goiás se manteve em décimo segundo com 17 pontos, 5 vitórias, 2 empates e saldo negativo de 9 gols (13 pró, 22 contra). Das seis derrotas, cinco como visitante, o time ainda não venceu desde que o Brasileirão recomeçou após a Copa América, mas ganhou ânimo com o anúncio da volta de Nei Franco.

EXPULSÃO – O árbitro Bruno Arleu Araújo teve atuação correta e expulsou bem o meia Yago Felipe, do Goiás, por falta dura em Everaldo, fora da área, aos 46 do segundo tempo, que teve cinco minutos de acréscimos. Os três cartões amarelos foram aplicados no segundo tempo: Daniel Guedes e Leo Sena, do Goiás, e Fagner, suspenso do próximo jogo.

DESPEDIDA – O zagueiro Henrique se despediu dos companheiros após os 2 x 0. Ele vai para o Al-Ittihad Kalba – Os Tigres -, dos Emirados Árabes, dirigido pelo técnico italiano Fabio Viviani, de 52 anos. Depois de defender o Fluminense em 117 jogos (4 gols), entre 2016 e 2017, Henrique, paranaense de 32 anos, 1,85m, destro, foi bicampeão paulista em 2018 e 2019 pelo Corinthians, atuando em 110 jogos e marcando cinco gols.

129 JOGOS, 300 GOLS – Com a conclusão da sétima rodada, que registrou 21 gols e foi a terceira sem 0 x 0, o Brasileirão 2019 chegou aos 300 gols em 129 jogos, média de 2.32 gols por jogo. 134 dos 300 gols foram marcados no primeiro tempo. O Flamengo tem o ataque mais positivo (25), seguido do Santos (23), Palmeiras (21) e dos Atléticos Mineiro e Paranaense (20).

ÚNICO SEM VITÓRIA, após 13 rodadas, o Avaí – campeão catarinense – soma só 5 pontos, com 5 empates e 8 derrotas. A CHAPECOENSE tem a defesa mais vazada (23). O Goiás, com os dois sofridos do Corinthians, divide com o Fluminense (22) a segunda pior defesa. CRUZEIRO, Fortaleza e CSA estão na sequência com 20 gols sofridos.

Foto: ESPN