Escolha uma Página

Foto: francefootball.fr

Em entrevista especial e exclusiva à France Football, Cristiano Ronaldo abre o coração e faz declarações especiais na edição desta última terça (30) de outubro, ao receber o correspondente da revista em Turim, onde joga pela Juventus, que já está sete pontos à frente do Napoli, na liderança do Campeonato Italiano 2018-2019, com todas as chances de conquistar pela oitava vez consecutiva, ampliando o maior recorde de títulos de um clube no futebol europeu. 

ASSÉDIO SEXUAL – Nem mesmo sobre a notícia de que teria cometido assédio sexual em viagem aos Estados Unidos, divulgada com tanto alarde no mundo, o atacante português se esquivou de comentar:  “Muito mais do que eu, minha mãe e minha irmã estão chocadas, abatidas, deprimidas. É a primeira vez que as vejo assim. Tenho procurado acalmá-las, quando deveria ser exatamente o contrário. Não falo com meu filho porque ele é muito pequeno para entender”.

A FAVOR e CONTRA – Sobre o caso fora dos bastidores da família, Cristiano Ronaldo diz mais: “Claro que não me sinto bem, principalmente pelo que acontece em minha casa, com minha mãe e minha irmã inconsoláveis e abatidas. Na opinião pública, é diferente porque sei que muitos gostam de mim e outros não gostam, o que também faz pouca diferença. Só espero que isso termine logo e que tudo se esclareça, porque é uma fase delicada que estamos passando em minha casa”.

100 MILHÕES – Cristiano Ronaldo fala sobre a saída do Real Madrid – 2009 a 2018, 438 jogos, 450 gols – para a Juventus: “Na minha idade (33),nenhum jogador sai de um grande clube para outro grande clube por 100 milhões de euros. Recusei ofertas de clubes de Ligas menores, que me ofereceram infinitamente muito mais, para manter elevado o nível técnico. E digo isso sem perder o respeito pelos que aceitam jogar nos Emirados, na Arábia e até na China, e nesses lugares encerram a carreira sem ter que precisar manter o nível”.

SAÍDA DO REAL MADRID – Cristiano Ronaldo também falou com muita sinceridade sobre a saída do Real Madrid: “O presidente do clube já me via como jogador prescindível. Ele se apoiou nos valores do reajuste que solicitei para o novo contrato, mas, em verdade, ele já não me considerava importante para a equipe. Foi precisamente ao sentir isso que também entendi não ser interessante continuar e aceitei o convite da Juventus, outro clube de tradição e que me tratou ainda com mais carinho depois daquele gol – um dos mais bonitos da minha carreira -, em bicicleta histórica em Turim”.

MUITO ORGULHO – Cristiano Ronaldo deixa claro que, no seu conceito, “o homem é um animal”, e faz questão de destacar: “Eu me sinto, com muito orgulho, ser um animal diferente, um atleta diferente, uma pessoa diferente e com um cérebro diferente. Não estou a dizer que me sinto nem que sou melhor que ninguém, apenas que me sinto diferente, orgulhoso de ser diferente. E pode ser por isso que me mantenho no alto da montanha há doze anos”.

Foto: francefootball.fr

NOS DEDOS – Cristiano Ronaldo diz que podem ser contados, nos dedos de uma só mão, os melhores jogadores, capazes de concorrer, com justiça e merecimento, ao prêmio de melhor do mundo: “Uma das provas mais concretas é que o Messi e eu dividimos o prêmio nos últimos dez anos. Ou isso não quer dizer nada? Por isso, estou onde mereço estar e onde sempre estive, no alto da montanha. Os que pensam em antecipar o final da minha carreira, estão muito equivocados”.

IDADE – Cristiano Ronaldo volta ao tema idade, ao dizer que muitos entendem que já deveria ter encerrado a carreira, sobretudo pela fortuna que fez ao longo de tantos anos no futebol: “A idade está na cabeça e isso me permite manter a vida de jogar no alto, sentindo cada vez mais vontade e prazer pelo que faço em campo, com mais acertos que erros. Claro que tudo isso vai acabar. Não sei se em quatro, cinco, seis anos. Quando chegar o momento, saberei parar de jogar”.

BOLA DE OURO – Cristiano Ronaldo é outra vez concorrente ao prêmio, criado em 1956 pela France Football, revista de mais conceito no mundo, pela seriedade e qualidade de suas matérias, traduzidas em vários idiomas, em especial na Europa, onde o Ballon d’Or” (Bola de Ouro) só era disputado por jogadores europeus, passando a ser promoção conjunta com a Fifa em 2010. A revista, com sede em Paris, foi criada há 72 anos e circula desde 1946 apenas duas vezes por semana, às terças e as sextas. A edição desta terça (28 de outubro de 2018) é muito especial.

CRISTIANO RONALDO revela orgulho e nenhum pouco de pretensão ao dizer: “Sou uma das pessoas mais célebres do planeta. Sinto muito orgulho da minha vida e de tudo o que consegui”.

Cristiano Ronaldo, 33 anos, 1,85m, ambidestro, nasceu em Funchal, Ilha da Madeira, Portugal, em 5 de fevereiro de 1985Seu nome foi escolhido pelo pai, José Dinis Aveiro, em homenagem ao sociólogo e economista Ronald Wilson Reagan, quadragésimo presidente dos Estados Unidos, de 20/1/81 a 20/1/89. O pai de Cristiano era alcoólatra e morreu em 2005, pouco antes de um jogo entre as seleções de Portugal e Rússia. Sua mãe é Maria Dolores, e seus irmãos, Hugo,  Elma e Cátia, que teve o nome artistico de Ronalda na época em que foi cantora.

CRISTIANO RONALDO – Profissional de futebol desde 2001, quando assinou contrato com o Sporting de Lisboa, que defendeu até 2003, marcando 5 gols em 31 jogos. De 2003 a 2009, no Manchester United, 292 jogos, 118 gols. No Real Madrid, de 2009 a 2018, 450 gols em 438 jogos. Iniciou 2018 na Juventus e já é vice-artilheiro do Campeonato Italiano, que o time de Turim lidera com 7 pontos à frente do vice-lider Napoli, em 10 rodadas, com 7 gols em 10 jogos.