Depois de pensar até em abrir mão de vinte milhões de euros – mais de 80 milhões de reais -, para tentar voltar ao Barcelona, Neymar perdeu feio a disputa com o PSG, decidiu cair na real e dizer aos clubes que vai continuar em Paris. Com certeza, uma derrota humilhante, que o obrigará a dobrar esforços para apagar a mancha da imagem.

GRANDE LIÇÃO – Neymar e seus orientadores ficaram por baixo, inferiorizados diante de uma posição que talvez não esperassem ser tão inflexível do clube francês. A decisão de enfrentar o PSG, entendendo que o Barcelona, ou até mesmo o Real Madrid, fosse capaz de levá-lo de volta à Espanha, foi igual a um tiro que sai pela culatra.

FIRMEZA – Quem acompanhou o passo a passo do caso, há de se lembrar que a posição do PSG foi sempre de muita firmeza. Quando quis tirá-lo do Barcelona, depositou o valor da multa rescisória, de uma só vez, e logo ele assinou o contrato para ser apresentado. O clube cumpriu com todas as obrigações, sem atraso sequer de um dia.

APRESENTAÇÃO – Neymar admitiu que o atraso na apresentação, após as férias, não seria levado em conta, mas esse foi o primeiro grande erro, que cometeu no relacionamento com o clube. Há uma diferença muito acentuada, entre o profissionalismo levado a sério do europeu, e o paternalismo do brasileiro, sempre pronto a passar a mão pela cabeça.

SOCO NO TORCEDOR – O descontrole de Neymar, ao agredir um torcedor do PSG com um soco, no Parque dos Príncipes, foi cena que o mundo viu e reviu, sem querer acreditar. Uma cena chocante para o clube, que zela e preserva uma das imagens bonitas, entre tantas que atraem cada vez mais visitantes, todos os anos, à capital mundial do turismo.

MUITO EMPENHO – Neymar terá que repensar a carreira. Não será com pouca mudança que vai conseguir se recuperar. Sua imagem está muito desgastada. Seu prestígio, antes tão exaltado, deu lugar ao declínio. Vai precisar se empenhar muito para ter uma conduta com o nível de todo profissional que se preza. Se é que aprendeu a lição.