O São Paulo não fez boa apresentação na noite de ontem (17), no Morumbi, e caiu para o terceiro lugar no Grupo D da Copa Libertadores, ao empatar (2 x 2) com o River Plate, que não jogava há seis meses, mas demonstrou mais ritmo e vontade de vencer. São Paulo e River têm 4 pontos – 1 vitória, 1 derrota, 1 empate -, mas o River é vice-líder pelo saldo de gols (5 a 2). A LDU, do Equador, lidera com 6 pontos e será o próximo adversário do São Paulo, terça (22), na altitude de Quito. Se perder, o São Paulo pode ser eliminado das oitavas de final.

10 EMPATES – Em 86 jogos da Libertadores no Morumbi, foi o décimo primeiro empate do São Paulo, que  iniciou em vantagem com o gol contra do volante Enzo Perez, aos 10 minutos, após o chute do lateral Reinaldo bater nele e deslocar o goleiro Franco Armani. O River empatou aos 18, com o atacante colombiano Rafael Borré, após cruzamento do meia Julian Álvarez, que aos 35 do segundo tempo fez a virada (2 x 1), mas o São Paulo, com outro gol contra, do lateral FabrizioAngileri, empatou aos 38.

DECEPCIONANTE – Houve muito comentário, antes do reinício da Libertadores, de que os times brasileiros poderiam ter vantagem por estarem jogando, enquanto os adversários ficaram seis meses sem atividade, devido à Covid-19. Não é na prática o que se viu nesses primeiros jogos, em que as equipes brasileiras não fizeram boas apresentações. A do São Paulo foi até decepcionante, muito abaixo de uma equipe que vem jogando duas vezes por semana e não mostrou empenho para vencer.

MELHORA OU SAI – Não será, na minha visão, nenhuma surpresa a eliminação do São Paulo, que precisa melhorar a postura na próxima terça (22), em Quito, no jogo com a LDU, que assumiu a liderança ao vencer (1 x 0) o lanterna Binacional, da cidade peruana de Juliaca, a 1.282 km da capital Lima. A LDU tem 6 pontos – 2 vitórias, 1 derrota, saldo de um gol (4 a 3) -, River Plate e Paulo, 4 pontos – 1 vitória, 1 derrota, 1 empate -, mas o saldo de gols do River é de 5 gols(10 a 5), e o do São Paulo, de 2 gols (6 a 4).

SEM PERDER – O São Paulo mantém a invencibilidade sobre o River, em jogos da Libertadores, com três vitórias e dois empates. O árbitro uruguaio Esteban Ostojich, de 38 anos, teve boa atuação e advertiu cinco com cartão amarelo: Diego Costa, Reinaldo e Igor Gomes, e De la Cruz e Carrascal. O São Paulo completou 86 jogos em seu estádio pela Copa Libertadores da América, que ganhou em 1992, 1993 e 2005, com 65 vitórias, 12 empates, 9 derrotas.

BOCA, LÍDER INVICTO – Segundo com mais títulos (6) da Libertadores, só menos um que o também argentino Independiente, o Boca Juniors manteve a invencibilidade em 2020 e assumiu a liderança do Grupo H, ao vencer (2 x 0) o Libertad, do Paraguai, na noite de ontem (17), no estádio La Hola, em Assunção. O ponta Eduardo Salvio, argentino de 30 anos, marcou um gol em cada tempo, com grande atuação do time do ex-meia Miguel Ángel Russo, de 64 anos, técnico campeão da Libertadores em 2007.

MUITOS ELOGIOS – A crônica esportiva argentina destaca, com muitos elogios, a volta de seus times à Libertadores, depois de seis meses afetados pela Covid-19, que até ontem (17) à noite, registrava no país 601.703 casos e 12.701 mortes. Os jornais salientam que “o Boca voltou a mostrar ser um time valente, ao se impor ao Libertad, em Assunção, e o River Plate fazer jogo igual com o São Paulo, depois de ficarem quase 200 dias sem nenhum jogo”.

VITÓRIA HISTÓRICA – Outro feito realçado pelos jornais argentinos, a primeira vitória do modesto Defensa y Justicia, da cidade de Florencio Varela, na região metropolitana de Buenos Aires, estreante na Libertadores, que na noite de ontem (17), em seu estádio Norberto Tomaghelo, fez 3 x 0 no Delfin, do Equador, com os gols de Braian Romero, Gabriel Hachen e Nicolás Leguizamon. O Delfin caiu para o último lugar e será o próximo adversário do Santos, líder do Grupo G, quinta (24), em Manta.

Fotos: Diário Popular, Sportbuzz, Staff Images / CONMEBOL, Vavel,