DOIS DIAS DEPOIS DE ELIMINADA da Copa de 2022 pelo Marrocos, nos pênaltis, a Espanha anunciou nesta 5ª feira (8) o novo técnico, Luis de La Fuente, ex-lateral-esquerdo de 61 anos, do Atlético Bilbao e Sevilha, que continuará valorizando os jovens. Ele fará a primeira convocação, em fevereiro, para a Eurocopa de 2024. 

LUIS DE LA FUENTE ganhou dois campeonatos europeus, o sub-19 em 2015, e o sub-21 em 2019. Em 2020, ganhou com a seleção sub-23 a medallha de prata dos Jogos Olímpicos de Tóquio, perdendo a decisão para o Brasil por 2 x 1 na prorrogação, com cinco novatos, que disputaram a Copa do Mundo no Catar com bom desempenho.

ENTRE AS REVELAÇÕES do novo técnico, cinco que o ex-técnico Luis Enrique utilizou na Copa de 2022, o goleiro Unai Simon, de 25 de anos, do Athletico Bilbao; o meia Pedri, de 20 anos, do Barcelona, melhor jogador sub-21 da Europa; o meia Dani Olmo, de 24 anos, do alemão Leipzig; o meia Carlos Soler, de 25 anos, do PSG, e o ponta Marco Asensio, de 26 anos, do Real Madrid.

LUIS ENRIQUE, ex-meia de 52 anos, campeão no Real Madrid e no Barcelona, substituiu o ex-zagueiro Fernando Hierro, que assumiu a seleção após o técnico Julen Lopetegui pedir demissão, apenas três dias antes da estreia na Copa de 2018. A Espanha empatou (1 x 1) com a Rússia, que a eliminou nos pênaltis (4 x 3), nas oitavas de final.

ALEMANHA E SUÍÇA DECIDEM MANTER

Bernd Neuendorf

“TEMOS CONFIANÇA TOTAL NO NOSSO TÉCNICO”. Foi assim que o presidente Bernd Neuendorf, político e jornalista de 61 anos, presidente da Federação Alemã de Futebol, resumiu a permanência de Hansi-Dieter Flick, ex-meia de 57 anos, no comando da seleção até a Eurocopa de 2024, que será disputada na Alemanha.

A ALEMANHA não foi além da fase de grupos em 2022, tal como na Copa de 2018, quando o técnico Joachim Low, campeão do mundo em 2014, não conseguiu manter o padrão da seleção. Ainda assim, ele continuou no comando da Eurocopa e a Alemanha ficou pelo meio do caminho, vendo Itália e Inglaterra decidirem.

A MAIOR PROVA DE CONFIANÇA a um técnico, após a eliminação na Copa de 2022, foi dada pelo presidente Dominique Blanc, da Associação Suíça de Futebol, que manteve Murat Yakin, após a goleada de 6 x 1 de Portugal. “O trabalho dele foi bem criterioso e justo, durante os 15 meses em que comandou a nossa seleção”.

+ O CATAR, ESTREANTE e promotor da 1ª Copa do Mundo no Oriente Médio, perdeu os três jogos da fase de grupos e só marcou um gol, mas manteve o técnico Felix Sanchez Bas, espanhol de 46 anos, que assumiu em julho de 2017. A Federação disse que “o trabalho é bom e vai melhorar com a permanência dele no país”.

+ DEPOIS DE SEIS ANOS, o técnico espanhol Roberto Martinez, de 49 anos, entregou o cargo à Federação da Bélgica, que o manteve desde 2016. Terceiro na Copa de 2018, ele liderou o ranking da Fifa durante três anos, mas na Copa de 2022 a Bélgica não passou do 3º lugar na fase de grupos, depois do Marrocos e da Croácia.

+ OUTRO QUE ENTREGOU o cargo foi o ex-meia Paulo Bento, lisboeta de 53 anos, que dirigia a seleção da Coreia do Sul desde agosto de 2018. Depois de goleado pelo Brasil por 4 x 1, na fase de grupos, ele agradeceu aos sul-coreanos e se disse honrado por ter ficado tanto tempo à frente da seleção. 

+ DEPOIS DE MANTER Óscar Tabárez, de 74 anos, por 15 anos no comando da seleção, o Uruguai demitiu Diego Alonso, ex-atacante de 47 anos, após a eliminação na fase de grupos, depois de perder para Portugal (2 x 0), empatar com a Coreia do Sul (0 a 0) e só vencer Gana (2 x 0). O Uruguai planeja rejuvenescer a seleção.

Fotos: Spiegel / Divulgação