Escolha uma Página

Os dois jogos que Flamengo e Fluminense vão disputar, espremidos no intervalo de 72 horas, é demonstração clara de falta de bom senso. Por que domingo e quarta? Por que não domingo e domingo? Depois da próxima quarta (15), os dois times só voltarão a jogar dia 9 de agosto, quando se inicia o Brasileiro. É pouco inteligente que joguem amanhã (12) e na próxima quarta (15) para decidir o Carioca, se o intervalo poderia ser com mais tempo, em benefício de ambos. 

A FALTA DE RENOVAÇÃO, na direção e nas ideias, impede que o futebol do Rio progrida, e que se veja, cada vez mais acentuado, o tratamento diferenciado, e muito desigual, entre os quatro clubes mais importantes da história do campeonato. Flamengo e Vasco, que se deram as mãos (?), esquecendo antigas desavenças, são parceiros da entidade. Botafogo e Fluminense, em lado oposto,  caíram em desgraça, por não concordarem com a pressa, e foram punidos. O técnico do Botafogo analisou tudo com equilíbrio e inteligência, e pagou ainda mais caro, suspenso por dizer, com todas as letras, o que alguns não gostam de ouvir.

A POLÍTICA RASTEIRA tem feito muito mal ao futebol do Rio, e até bem pior do que o impedir de avançar, é mantê-lo estagnado, com um campeonato sem mais nenhuma razão de ser. A Confederação Brasileira de Futebol tem plena autonomia para dar um basta nos estaduais, após ter sido tímida em tirar-lhes apenas duas datas. O calendário que precisa ser reformulado, e a reformulação, sim, exige pressa. Não pode é continuar como vem sendo, há tempos, travando a evolução do futebol.

DEPOIS DE SE LIVRAR de malfeitores, a CBF se mostra livre de corruptos, e agora precisa mostrar a cara da competência. Um dos pontos de partida é o ajuste do calendário ao da Europa, onde nem mesmo a pandemia impediu que os campeonatos e os torneios fossem prejudicados. A CBF não pode seguir com a política do Toma lá, dá cá para manter votos, em eleições que só fazem mal ao futebol, eternizando dirigentes nos cargos. 

Foto: Lucas Merçon / Fluminense FC/Divulgação