O Fluminense não teve competência para que, pela primeira vez na história da Libertadores, iniciada em 1960, as semifinais fossem só entre brasileiros, ao ser eliminado pelo Barcelona, no segundo empate (1 x 1), após 2 x 2 no Maracanã. Restou o consolo de Fred, ao empatar o jogo com o gol de pênalti, aos 53 do segundo tempo, ser o segundo com mais gols (25), igual ao ex-atacante Palhinha, e também ao meia Tiago Neves, com 28 jogos, os que mais jogaram pelo Fluminense na Libertadores.  

SEM SURPRESA – O Fluminense foi eliminado no Maracanã, ao ceder dois gols ao Barcelona, como reconheceu Fred, ao final do 1 x 1 da noite de ontem (19), quando disse não haver outra coisa a fazer, a não ser “curtir o luto”. O time não soube aproveitar o primeiro jogo em casa nem teve poder de decisão para ganhar como visitante. A eliminação nas quartas de final também não pode ser recebida com tanta surpresa. A equipe do Fluminense é bem limitada.

SINAL DE ALERTA – O Fluminense chegou a seis jogos sem vencer, após os dois empates com o Barcelona, depois de três  derrotas, sem fazer gol, para América Mineiro, Grêmio e Palmeiras (1 x 0), e por 4 x 2 para o Internacional. Em queda livre, se não reagir rápido, entra no grupo dos rebaixados. É décimo quinto, empatado em pontos (17) com o Cuiabá, e só com mais dois pontos que Sport, décimo sétimo, e América Mineiro, décimo oitavo (15). O Fluminense jogará segunda (23) com o líder Atlético Mineiro, em São Januário. Bom ligar o sinal de alerta.

TERCEIRA VEZ – Depois do segundo lugar na decisão de 2008, em que perdeu nos pênaltis para a LDU, o Fluminense deixa de ir às semifinais, em sua terceira participação. Nas quartas de final de 2012, perdeu (1 x 0) para o Boca, em Buenos Aires, e empatou (1 x 1), no Rio; em 2013, 0 x 0 com o Olímpia, no Rio, e perdeu (2 x 1) em Assunção, e agora em 2021, eliminado por um adversário ainda menos expressivo, o Barcelona (genérico, sem qualidade).

POUCA SORTE – Surpresa na escalação, o meia Ganso aproveitou bem o escanteio de pé trocado de Egídio e obrigou o goleiro argentino Javier Burrai à boa defesa para escanteio, em uma bicicleta com precisão, aos 38 minutos do primeiro tempo. Mas, ao cair, teve pouca sorte ao se apoiar no gramado e torceu o punho direito, sendo substituído pelo equatoriano Juan Cazares, que decaiu de rendimento depois de bom começo. Fred ficou muito isolado, bem marcado e quase sem receber em condições de finalizar.

SEM IMPEDIMENTO – O lançamento do meia argentino Michael Hoyos para o atacante uruguaio Gonzalo Mastriani fazer o gol do Barcelona foi entre os zagueiros, e ele amorteceu e finalizou com o pé esquerdo, com o gol vazio, porque o goleiro Marcos Felipe, um tanto quanto afoito, errou na saída, e também ao acenar, pedindo impedimento que não houve. Nos acréscimos de oito minutos, Fred livrou o Fluminense da quinta derrota nos últimos seis jogos, ao converter o pênalti do zagueiro Riveros no zagueiro Lucas Claro.

QUATRO ANOS DEPOIS – O Barcelona está de volta às semifinais quatro anos depois de perder (3 x 0), em casa, para o Grêmio, e de vencer (1 x 0), em Porto Alegre. O Grêmio foi campeão da Libertadores 2017, ao vencer o Lanús por 1 x 0 na Argentina e 2 x 1 em Porto Alegre. O técnico Renato Portaluppi, agora no Flamengo, volta a enfrentar o Barcelona nas semifinais. O primeiro jogo será no Equador, dia 21 de setembro, e o segundo, dia 28, no Maracanã.

85 MILHÕES DE REAIS – Atlético Mineiro, Palmeiras, Flamengo e Barcelona receberão 2 milhões de dólares pela participação nas semifinais. O vice-campeão ganhará 6 milhões de dólares e o campeão receberá 15 milhões de dólares, o equivalente a 85 milhões de reais. O montante do campeão é ainda mais elevado, com os prêmios pela fase de grupos, oitavas e quartas de final. 

Foto: A tribuna RJ