Escolha uma Página

Depois de eliminar o Globo FC, do Rio Grande do Norte, na tarde de ontem (26), na Arena Amazônia, em Manaus, única sede da Copa do Mundo de 2014, o Fast está a duas vitórias de entrar nas semifinais da Série D do Campeonato Brasileiro e de disputar a Série C de 2021, premiando o trabalho do presidente Denis Albuquerque e de toda a diretoria. O Fast havia perdido (2 x 1) na ida, em Ceará-Mirim, município a 28 km de Natal, mas ontem (26), em Manaus, venceu (1 x 0) e classificou nos pênaltis (6 x 5).

DIRIGIDO pelo paulista Ricardo Lecheva, ex-meia de 46 anos, o Fast teve como destaque o goleiro Alencar, de 24 anos, 1,99m, revelado na base do Cruzeiro, que fez três defesas notáveis nas cinco cobranças de pênaltis do Globo FC, garantindo o tricolor amazonense nas semifinais. Os seis batedores de pênaltis do Fast – Janeudo, Tiago, Benjamin, Regis, Dija Baiano e Bernardo – foram precisos nas cobranças. O jogo teve atuação correta do árbitro Leonardo Zanon, da Federação Paranaense.

O GOL DO FAST, que dominou a maior parte dos 90 minutos, foi do lateral-direito Régis, paulista de 31 anos, contratado em novembro. Ele foi do São Paulo, Botafogo, Bahia e Goiás, e marcou o gol, que levou a decisão aos pênaltis, aos 21 minutos do segundo tempo. Na estreia da fase de grupos o Fast eliminou o Galvez EC, time da Polícia Militar de Rio Branco, capital do estado do Acre, e antes de ganhar do Globo FC, o Fast havia eliminado uma equipe ainda mais forte, a do Moto Clube.

O ADVERSÁRIO do Fast nas quartas de final será o vencedor deste domingo (27), na Arena Castelão: Floresta EC, do bairro de Vila Mnuel Sátiro, em Fortaleza x SE Juventude, do município de São Mateus do Maranhão, a 180 km da capital São Luis. O time do Fast que se classificou ontem (26) teve Alencar, Regis, Tiago, Benjamin e Italo; Pedra (Pelezinho), Janeudo e Marco (Charles); Ronan (Edison), Dija Baiano e Tiago Pará (Bernardo). Técnico – Ricardo Lecheva.

DURANTE toda a minha juventude em Manaus, nascido e criado na Rua Frei José dos Inocentes, no Centro, acompanhei grandes times do Fast, nascido de uma cisão de dirigentes do Nacional, e gostava de ver Paulo Onety, artilheiro do primeiro time campeão em 1948, em tardes de bom futebol no Parque Amazonense, onde depois brilharam os irmãos Piola – Antonio (lateral), Zequinha (zagueiro) e Edson, outro artilheiro histórico do Fast – e o extraordinário goleiro Sandoval.

FAST 0 x 0 COSMOS, com o recorde de 56 mil torcedores no estádio Vivaldo Lima, no bairro de Flores, foi um dos maiores acontecimentos esportivos de todos os tempos, em Manaus, na tarde ensolarada do domingo, 9 de março de 1980, com a presença em campo dos capitães campeões mundiais das Copas de 70 e 74, o carioca Carlos Alberto Torres e o alemão Franz Beckenbauer, depois de Zagallo (58, 62 e 70), o segundo campeão mundial como jogador e técnico (74 e 90).

O FAST MERECE entrar na Série C do Campeonato Brasileiro em 2021. É uma promoção digna do trabalho da diretoria do presidente Denis Albuquerque e bem de acordo com os 90 anos de história, que o clube completou dia 8 de julho deste 2020. No início da carreira na crônica esportiva em Manaus, Luis Gonzaga de Souza, presidente do Fast, e Adelino Costa, presidente do Nacional, foram amigos que acreditaram no meu trabalho e aos quais deverei sempre pelo apoio.

BOM DIZER: o Fast Clube é azul, branco e vermelho, cores da bandeira do Amazonas, o maior estado do Brasil, com superficie superior às da França, Espanha, Suécia e Grécia somadas, como aprendi, e nunca mais esqueci, nas aulas de Geografia do notável mestre Mario Ypiranga Monteiro, no Ginásio Pedro II. Manaus ganhou da natureza o presente divino do encontro das águas, onde os rios Negro e Solimões dão um espetáculo deslumbrante, simplesmente único e inesquecível.

Foto: D24am