O TÉCNICO FERNANDO DINIZ considerou que o 2 x 1 não refletiu a superioridade do Fluminense, talvez nem só pela atuação da noite de ontem (23), mas ao lembrar da vitória mais expressiva sobre o Cruzeiro,  quando formava o meio-campo com o seu hoje assistente Marcão, na tarde do domingo, 11 de agosto de 2002, no Maracanã: Fluminense 5 x 1, com o maior público dos jogos com o Cruzeiro: 59.866 pagantes.

FERNANDO DINIZ MARCOU O 2º GOL dos 5 x 1, aos 32 minutos, completando cruzamento rasteiro de Magno Alves, que três minutos antes havia aberto o placar, com o 100º gol com a camisa tricolor. E aos 43 minutos, ao entrar na área, Fernando Diniz foi derrubado pelo zagueiro Vânder. O pênalti foi convertido por Romário e o Fluminense já saiu para o intervalo com 3 x 0.

O FLUMINENSE ERA DIRIGIDO pelo ex-ponta direita Robertinho, campeão carioca de 1980, que gostava do futebol ofensivo e deixou algumas vezes o artilheiro Claudio Adão na cara do gol. O Fluminense manteve a pegada na volta do intervalo e chegou aos 5 x 0 com os gols de Beto e Romário, fechando a vitória mais expressiva sobre o Cruzeiro, que fez o chamado gol de honra com Fabio Junior aos 44 minutos.

O TIME EM QUE FERNANDO DINIZ era meia, no 5 x 1 de 2002 no Cruzeiro, tinha Murilo, Flavio, Cesar, Zé Carlos e Marquinhos; Fabinho, Marcão (cap), depois Carlos Alberto, Fernando Diniz (Yan) e Beto; Magno Alves (Rony) e Romário, formação clássica do 4-2-4 da época em que alguns treinavam mudavam para o 4-3-3, conforme as circunstâncias do jogo. 

FLUMINENSE 5 x 1 CRUZEIRO, com o hoje técnico Fernando Diniz no meio-campo tricolor, foi jogo da primeira fase do Campeonato Brasileiro. Uma das principais figuras do Cruzeiro era o goleiro Jefferson, que depois também brilharia no Botafogo e na seleção brasileira, defendendo pênaltis de batedores marcante como o até hoje astro Lionel Messi. O árbitro era Heber Roberto Lopes, que expulsou Joãozinho, atacante do Cruzeiro, e Beto.

Fotos: Fluminense FC