OUTUBRO ESTÁ COMEÇANDO COM NOVIDADES QUE ABRANGEM O FUTEBOL MUNDIAL, regulado desde a fundação da Fifa, na tarde do sábado, 21 de maio de 1904, na Rua Saint-Honoré 104, nos arredores de Paris, pelo francês Robert Guérin, jornalista, árbitro e treinador de futebol. O presidente Gianni Infantino, franco-suíço de 51 anos, anunciou as novidades, hoje (1), na sede de Zurique, cidade do centro bancário e financeiro internacional, no extremo Norte da Suíça.

TRIBUNAL DO FUTEBOL – Precisamente hoje, sexta-feira, 1 de outubro de 2021, a Fifa criou o Tribunal do Futebol, que inclui os atuais órgãos de decisão em um só, a fim de simplificar a resolução de litígio. O próprio presidente resume: “O Tribunal do Futebol servirá para esclarecer disputas sobre regulamento, relações contratuais entre jogadores, clubes, agentes, federações e confederações”. A criação do tribunal foi aprovada no último Congresso da Fifa, em maio.

NOVAS REGRAS – O Tribunal do Futebol da Fifa é composto por três câmaras e em sua atividade aplicará novas regras processuais para a solução de impasses e controvérsias. O tribunal terá a Câmara de Resolução de Litígios, que decidirá sobre reclamações trabalhistas entre jogadores e clubes. A Câmara do Estatuto dos Jogadores decidirá nas disputas entre técnicos e clubes ou federações, e a Câmara dos Agentes decidirá os casos dos agentes de jogadores.

JULHO DE 2022 – Na reta final da organização dos preparativos para a Copa do Mundo, a ser iniciada na segunda-feira, 21 de novembro, e a terminar no domingo, 18 de dezembro, uma semana antes do Natal, a previsão da Fifa é que as decisões do Tribunal do Futebol entrem em vigor a partir da sexta-feira, 1 de julho de 2022. Bom dizer: a Copa de 2022 no Catar, primeira no Oriente Médio, será a última com 32 seleções. A partir de 2026, serão 48 seleções, na primeira Copa em três países: Canadá, primeira vez; Estados Unidos (segunda vez, após 1994) e México (terceira vez, após 1970 e 1986). Bom lembrar: a primeira Copa em dois países foi no Japão e na Coreia do Sul, em 2002, última do Brasil campeão.

CALENDÁRIO – Depois das informações sobre a criação do Tribunal do Futebol, o presidente da Fifa disse ser preciso também criar um novo calendário de jogos para vigorar a partir de 2024, ressaltando: “Há muitos jogos sem sentido. Precisamos debater e analisar o que podemos fazer para torná-los significativos e importantes, capazes de motivar os torcedores”. O presidente disse mais: “O calendário vai entrar em vigor em 2024, com clareza e simplicidade, para que todos o entendam sem nenhuma dúvida”.

HÁ 117 ANOS A FIFA dirige o futebol mundial e vai realizar em 2022 a vigésima segunda Copa do Mundo, de quatro em quatro anos, as oito primeiras alternadas em América do Sul e Europa, até 1970, quando a Colômbia desistiu e o México promoveu. Os únicos vencedores de duas Copas consecutivas são Itália (1934-1938) e Brasil (1958-1962). Seis seleções ganharam as Copas que promoveram: Uruguai, 1930; Itália, 1934; Inglaterra, 1966; Alemanha (1974, 2006); Argentina, 1978, e França, 1998. Só duas seleções perderam a final da Copa em casa: Brasil, 1950, e Suécia, 1958. 

CINCO COPAS SEM COPA – Recordista com cinco títulos – 1958-62-70-94-2002 -, o Brasil pode igualar seu próprio jejum de cinco Copas sem Copa – campeão em 70, ficou 74-78-82-86-90 -, se não for campeão em 2022. Tão ruim quanto, é correr o risco de ser igualado pela Itália, quatro vezes campeã – 34-38-82-2006 -, ou pela Alemanha, quatro vezes campeã, em 54-74-90-2014. Bom lembrar: o Brasil é o único campeão sul-americano na Europa (1958) e a Alemanha, única europeia campeã na América do Sul (2014, segunda Copa no Brasil, com direito ao 7 x 1 no Mineirão).

ÚNICO SUL-AMERICANO – Filho de belgas, o carioca João Havelange – 8/5/1916 – 16/8/2016 – foi o único sul-americano  presidente da Fifa, sucedendo o inglês Stanley Rous, em eleição que cobri no Hilton Hotel Frankfurt, na quarta-feira, 12 de junho de 1974. Presidente por 24 anos, em seis mandatos, Havelange organizou seis Copas, ganhando o título de presidente de honra da FIFA, ao passar o cargo em 1998 ao suíço Joseph Blatter. 

AS TRÊS PRIMEIRAS – Nadador do Fluminense, clube do coração, de infantil a adulto, Havelange foi da seleção brasileira de natação dos Jogos Olímpicos de 1936, em Berlim; da seleção de polo aquático dos Jogos Olímpicos de 1952, em Helsinque, e chefe da delegação nos Jogos Olímpicos de 1956, em Melbourne. Presidente da Confederação Brasileira de Desportos (CBD), hoje CBF, comandou 24 esportes e não só o futebol, entre 1958 e 1975. Foi com a organização exemplar de Havelange que o futebol brasileiro ganhou as três primeiras Copas do Mundo (58-62-70).

Foto: El Universal