Será da Comissão Disciplinar da Fifa a decisão sobre o inédito Brasil x Argentina de ontem (5), interrompido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, aos cinco minutos do primeiro tempo, quando o representante da Anvisa entrou no gramado da Arena Corinthians para pedir a saída de quatro jogadores argentinos. O goleiro Emiliano Martinez, o zagueiro Romero e o meia Lo Celso, e o lateral Emiliano Buendia, que estava na reserva, foram acusados de mentirosos.

RELATÓRIOS – A reunião dos dezenove integrantes da Comissão Disciplinar da Fifa só será marcada após o recebimento dos relatórios do árbitro venezuelano Jesus Valenzuela, de 37 anos, e do delgado da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), que deu o aval para que o árbitro suspendesse o jogo. As eliminatórias para a Copa do Mundo são organizadas pela Conmebol, mas são uma competição da Fifa, a quem cabe todas as decisões, técnicas e disciplinares.

NOTA DA FIFA – Pouco depois de informada sobre o ocorrido, a Fifa divulgou nota, curta e objetiva, confirmando que “a partida Brasil x Argentina foi suspensa por decisão do árbitro, e os próximos detalhes serão apreciados no tempo devido”. Por sua vez, a Confederação Sul-Americana de Futebol limitou-se a informar que, “se o jogo será reprogramado ou será haverá punição para uma equipe, ou para ambas, a decisão será exclusiva da Fifa”.

NOTA DA CBF – A Confederação Brasileira de Futebol, em nota, disse ter sido surpreendida com a medida, que classificou como intempestiva, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária: “A CBF lamenta profundamente os acontecimentos que acabaram provocando a suspensão do jogo. A CBF defende a implantação dos mais rigorosos protocolos de saúde e os cumpre integralmente”. De todas as notas emitidas, a da Confederação Brasileira de Futebol foi a mais extensa.

O MOMENTO – A CBF diz “ter ficado absolutamente surpreendida com o momento em que ocorreu a ação da Anvisa, com a festa iniciada, porque poderia ter realizado sua atividade de forma muito mais adequada, em dias e horários diferentes, antes do jogo”. Na nota, a CBF ressalta que em nenhum momento interferiu em qualquer ponto relacionado ao protocolo sanitário estabelecido pelas autoridades brasileiras para o ingresso de pessoas no país. Por fim, a CBF reitera sua decepção com os acontecimentos e aguarda a decisão da Conmebol e da Fifa.

ESCÂNDALO – Depois de ter ficado mais de duas horas no vestiário da Arena Corinthians, a seleção argentina saiu para o aeroporto de Guarulhos, onde esperou por mais hora e meia pela decolagem. O avião chegou ao aeroporto de Ezeiza por volta da uma hora da madrugada desta segunda (6), de acordo com a informação do jornal La Nacion, de Buenos Aires, que classificou como “um escândalo do futebol o que aconteceu no estádio do Corinthians”.

MESSI, CAPITÃO da seleção, confirmou o que disse a um dos agentes sanitários, durante a conversa de que participaram o técnico Tite, Casemiro, capitão da seleção brasileira, Neymar e Daniel Alves, com quem conversou no saguão de acesso ao vestiário, antes de irem juntos ao gramado: “Estamos aqui há três dias e esperaram o jogo começar para entrar em campo e interromper. Por que não fizeram isso antes do jogo começar?”

ABORRECIMENTO – O técnico Tite mostrou-se inconformado com a situação, tentou até dominar a bola para aliviar a tensão, antes de se sentar em um dos bancos dos reservas, mas também ganhou o elogio de Messi, que o chamou de bem sensível e equilibrado. O técnico argentino Lionel Scaloni também elogiou o treinador brasileiro: “Ele pensa como toda pessoa de bom-senso. Interromper o jogo cinco minutos depois de iniciado foi algo muito absurdo”.

EMPURRÃO – Poucos viram, mas o clima esquentou e a tensão aumentou depois que o zagueiro Nicolás Otamendi deu um empurrão em um dos agentes sanitários que gritou na cara dele. A partir de então, os jogadores argentinos tomaram a iniciativa de sair de campo e voltar para o vestiário. Os pivôs da suspensão do jogo reafirmaram que não entraram no Brasil com documento falsificado e que estavam em condições sanitárias de participar.

MANCHA – Da forma como o maior clássico do futebol sul-americano e um dos mais importantes do mundo foi interrompido, com a pior repercussão em todos os continentes, a mancha do Brasil x Argentina de ontem (5), na Arena Corinthians, com certeza, levará muitos e muitos anos para ser apagada.

Foto: Folha Esporte