Depois de fazer dois gols em menos de dez minutos e de chegar aos 3 x 0 no início do segundo tempo, o Flamengo sofreu a pressão com os dois gols do Fluminense, mas acabou classificado com os 3 x 2 da noite de ontem (12), no Maracanã, para a final da Taça Guanabara, no sábado (22) de Carnaval, com Boavista ou Volta Redonda. A outra semifinal será domingo (16), em Bacaxá, distrito de Saquarema, e o Boavista tem a vantagem do empate. Bom dizer: vencedor pela última vez em 2018, o Flamengo é o maior campeão da Taça Guanabara com 21 títulos. O Vasco tem 13; o Fluminense, 10, e o Botafogo, 8.

FULMINANTE – O Flamengo fez 2 x 0 em oito minutos, com Bruno Henrique, logo no primeiro minuto, aproveitando o cruzamento de Arrascaeta para marcar de cabeça, após saída errada do goleiro Muriel. Não foi diferente no segundo gol, que Gabriel marcou aos oito, após a bola mal atrasada por Wellington Silva, que Henrique deixou passar. Na sobra, Gabriel aproveitou para encobrir o goleiro e completar o terceiro jogo com gol em 2020.

MUITO MAL – O Fluminense se apresentou muito mal no primeiro tempo, em que o Flamengo dominou desde o início, mas não teve sequência para ampliar a vantagem. O Flamengo criou mais chances e a única do Fluminense, nos minutos finais do primeiro tempo, parou em boa defesa do goleiro Diego Alves, após cabeçada de Evanilson. Poder-se-ia dizer que Flamengo 2 x 0 Fluminense foi um tempo de um só time em campo.

MELHOROU – Mesmo sofrendo o terceiro gol logo aos cinco minutos após a volta do intervalo, em chute cruzado de Filipe Luis, com bela assistência de calcanhar de Gabriel, o Fluminense melhorou com a entrada do peruano Pacheco e fez o primeiro gol, aos 16, com a cabeçada de Luccas Claro, depois da falta de Nenê e com desvio, também de cabeça, de Digão. O segundo gol foi de Evanilson, aos 26, após cruzamento de Gilberto.

BEM ANULADOS – Com a revisão do VAR, o árbitro mineiro Graziani Rocha, de 37 anos, anulou o gol de Pacheco, aos 38, por impedimento, mesmo motivo da anulação do gol de Caio Paulista, aos 54 minutos. Outra decisão do árbitro de video foi a marcação de impedimento e não de pênalti de Gustavo Henrique em Pacheco, aos 45. O árbitro também acertou em aplicar cartão vermelho no técnico Odair Hellmann, aos 31, por reclamação.

DISCUSSÃO – Assim que o jogo terminou, com dez minutos de acréscimos, o técnico do Fluminense discutiu com Gabriel, depois que o atacante do Flamengo fez sinal mostrando as decisões do VAR na anulação dos gols. Apesar da tensão do segundo tempo, em que só o técnico foi advertido com cartão amarelo, os outros quatro cartões foram aplicados no primeiro tempo: Willian Arão e Gérson, e Gilberto e Digão. R$2.028.562,00. 53.571 pagantes.

FLAMENGO – Diego Alves, Rafinha, Gustavo Henrique, Leo Pereira e Filipe Luis; Willian Arão, Gerson (Diego, 17 do segundo tempo), Everton Ribeiro e Arrascaeta (Michael, 37 do segundo tempo); Bruno Henrique (Pedro, 55 do segundo tempo) e Gabriel. Técnico – Jorge Jesus. O presidente do Flamengo confirmou que irá amanhã (14) à Assembleia Legislativa para o depoimento diante da CPI que investiga a tragédia do Ninho do Urubu.

FLUMINENSE – Muriel, Gilberto, Digão, Luccas Claro e Egídio; Henrique (Ganso, 43 do segundo tempo), Yuri Lima e Nenê; Wellington Silva (Pacheco, 12 do segundo tempo), Evanilson e Marcos Paulo (Caio Paulista, 37 do segundo tempo). Técnico – Odair HellmannAdvertido pelo Tribunal de Justiça Esportiva da Federação do Rio de Janeiro, o Fluminense pediu aos torcedores que não repetissem o coro de time assassino do Fla-Flu anterior. Foi atendido.

TERCEIRA VEZ – Se eliminar o Volta Redonda na outra semifinal, o Boavista decidirá a Taça Guanabara pela terceira vez com o Flamengo nos últimos nove anos. Em 2011, Flamengo 1 x 0, gol de Ronaldinho Gaúcho, diante de 41.708 pagantes, no estádio Nilton Santos, na época, Engenhão. Em 2018, Flamengo 2 x 0, gols de Kadu (contra) e Vinícius Júnior, com 17.787 pagantes, no estádio Kleber Andrade, em Cariacica, no Espírito Santo. O Boavista tem a vantagem do empate na semifinal de domingo (16), no estádio Elcyr Resende, por ter sido primeiro do Grupo A.

Foto: Divulgação Facebook / Flamengo