O Flamengo concluiu os três jogos consecutivos no Maracanã com a maior goleada da fase de grupos da Libertadores 2019 e só precisa do empate com a LDU, dia 24, no Equador, para confirmar a classificação. Com os 6 x 1 da noite de ontem (11), no Maracanã, o Flamengo assumiu a liderança do Grupo D pelo saldo de gols (7 a 4) sobre o Peñarol. Ambos têm 9 pontos – 3 vitórias e 1 derrota -, mas o Flamengo fez 10 gols e sofreu 3, e o Peñarol marcou 6 gols e sofreu 2.

Tudo indica que o primeiro lugar do grupo será decidido na última rodada, dia 8 de maio, em que Peñarol e Flamengo se enfrentarão no estádio Campeão do Século, em Montevidéu. Na mesma noite do dia 24, em que o Flamengo estará na altitude do Equador para o jogo com a LDU – terceira colocada com 4 pontos -, o Peñarol jogará na altitude da Bolívia com o eliminado San José.

119 JOGOS, 62 VITÓRIAS – Com os 6 x 1 da noite de ontem (11), no Maracanã, o Flamengo chegou à vitória de número 62 em 119 jogos na Copa Libertadores, que está tentando voltar a ganhar, após a única conquista, em 1981, quando também se tornou o único time carioca a se sagrar campeão do mundo, na final (3 x 0) com o Liverpool, campeão da Europa, no Estádio Nacional de Tóquio, na tarde do domingo 13 de dezembro. Bom completaralém de 62 vitórias, o Flamengo obteve 25 empates, sofreu 32 derrotas, marcou 220 gols e sofreu 140, números atualizados depois dos 6 x 1 sobre o San José.

INTERVALO COM VAIAS – Mesmo vencendo (2 x 1) o Flamengo saiu vaiado no intervalo pela atuação desinteressada e sem criatividade, ainda que o San José tenha ficado com menos um logo aos quatro minutos com a expulsão do zagueiro Jorge Toco, por falta dura em Bruno Henrique. A expulsão foi no lance seguinte ao do gol de Diego, que abriu o placar aos três minutos, com o goleiro Carlos Lampe falhando na cabeçada do meia e capitão do Flamengo.

O Flamengo chegou a levar um susto com o gol de empate do San José, que o atacante Carlos Saucedo marcou aos 19, depois que Diego Alves rebateu o chute de Sanguinetti. Mas, em contra-ataque em alta velocidade, Everton Ribeiro recebeu a assistência de Bruno Henrique, em jogada de rara lucidez, e recolocou o time em vantagem (2 x 1).

MAIS QUATRO – O Flamengo massacrou o San José na volta do intervalo. O terceiro gol foi de Arrascaeta, aos 12, finalizando no canto esquerdo, após dominar no peito o cruzamento de Everton Ribeiro, que marcou o quarto gol aos 35, depois da assistência de Pará. Pouco antes, uma cabeçada de Rodrigo Caio parou no travessão. O quinto gol, aos 39, foi de Vitinho, que bateu forte no canto o pênalti sofrido por Arão, puxado pelo meia Gutierrez, que aos 42 fez o sexto – gol contra -, desviando cruzamento de Pará.

MÉDIA MANTIDA – Com os 60.965 pagantes anunciados no telão do Maracanã – que não mostrou a renda -, foi mantida a média de público do Flamengo de 64.500 pagantes nos jogos do Flamengo no estádio, pela Libertadores. A média é quase 25 mil acima da que o clube registrou até as semifinais do Campeonato Carioca, com 40.413 pagantes. Aliás, uma média bem superior à do Vasco, com quem inicia domingo (14) a decisão do título de 2019.

FLAMENGO – Diego Alves, Pará, Léo Duarte, Rodrigo Caio e Renê (Trauco, 41 do segundo tempo); Cuellar, Arão e Diego (Vitinho, 24 do segundo tempo); Arrascaeta, Bruno Henrique e Everton Ribeiro (Lucas Silva, 35 do segundo tempo). Arão foi o único advertido com cartão amarelo pelo árbitro chileno Piero Mazza, de 34 anos, com boa atuação. Arão deu um carrinho no meia Rojas.

  • CRUZEIRO, O PRIMEIRO – Com o empate (2 x 2) da noite de ontem (11) entre o Emelec, do Equador, e o Deportivo Lara, da Venezuela, no estádio George Capwell, em Guaiaquil, o Cruzeiro está confirmado como primeiro brasileiro em primeiro lugar entre os 32 times dos oito grupos da Libertadores 2019.
  • Único brasileiro 100% – 4 jogos, 4 vitórias e sem sofrer gol -, o Cruzeiro tem 15 pontos e não poderá ser mais alcançado, faltando duas rodadas, pelo Deportivo Lara (5) e o Emelec (3).
  • O Huracan, da Argentina, é a decepção: último, com 1 ponto.
  • A maior goleada da Copa Libertadores foi Peñarol 11 x 2 Valencia FC, da Venezuela, em 15 de março de 1970. O Valencia teve como um dos fundadores, em 1964, o técnico brasileiro Orlando Fantoni, campeão carioca em 77 no Vasco. O Peñarol é o terceiro maior ganhador da Libertadores com cinco títulos: 60-61, 66, 82 e 87.

Foto: Alexandre Durão / Globoesporte.com