Pela primeira vez desde 2003, quando o campeonato passou a ser disputado por pontos corridos, o Flamengo terminou o turno em primeiro lugar. Nem mesmo em seu último título de campeão brasileiro, em 2009, havia conseguido. A vitória (1 x 0) sobre o Santos, na noite deste sábado (14), no Maracanã, foi a décima terceira em dezenove jogos.O ARTILHEIRO – Autor do gol que decidiu o jogo, aos 44 do primeiro tempo, o artilheiro Gabriel driblou o zagueiro Gustavo Henrique e encobriu o goleiro Everson, que estava adiantado. Antes de entrar, a bola ainda tocou no travessão. Gabriel marcou pelo nono jogo consecutivo e fecha o turno com 16 gols em 19 jogos, 30 gols em 40 jogos em 2019.

O ATAQUE – Com o ataque mais positivo – 42 gols em 19 jogos -, média de 2.2 gols por jogo -, o Flamengo marcou 20 gols no primeiro tempo, em sua terceira vitória como mandante sem sofrer gol, depois de 2 x 0 no Fortaleza e 3 x 0 no Palmeiras. Em nove vitórias – 100% de aproveitamento -, foram 26 gols e só 8 sofridos.

AS EXCEÇÕES – O Flamengo só não fez gol em dois dos dezenove jogos (0 x 0 no Fla-Flu e 0 x 3 Bahia). As outras derrotas, também como visitante, foram por 2 x 1, para Internacional e Atlético Mineiro, e os outros dois empates (1 x 1), com São Paulo e Corinthians. A vitória deste sábado (14) sobre o Santos foi a única em que o Flamengo só marcou um gol.

DUAS VIRADAS – O Flamengo fez três gols em cada um dos cinco jogos que venceu como mandante, e – bom repetir – não sofreu gol em dois: 2 x 0 no Fortaleza e 3 x 0 no Palmeiras. Das  nove vitórias do Flamengo como mandante, duas foram de virada no Maracanã: 3 x 1 no Cruzeiro e 3 x 2 no Atlético Paranaense.

TRÊS SEM GOL – Nas três vitórias como visitante, o Flamengo não sofreu gol: 2 x 0 no CSA, que vendeu o jogo para Brasília; 3 x 0 no Ceará, em Fortaleza, e 3 x 0 no Avaí, que também vendeu o mando de campo para o estádio Mané Garrincha, em Brasília. O Flamengo abrirá o returno do Brasileirão 2019 como visitante, sábado (21), em Belo Horizonte, com o Cruzeiro.

MUITA DIFERENÇA – O Flamengo 1 x 0 Santos deste sábado, 14 de setembro de 2019, no Maracanã, com 62.510 pagantes, teve quase 100 mil pagantes a menos que o recorde – até hoje imbatível – do Flamengo 3 x 0 Santos, final de 29 de maio de 1983, no Maracanã, com 155.523 pagantes. O jogo marcou a despedida de Zico, negociado com a Udinese. A diferença exata é de 93.013 pagantes. Renda deste sábado (14), R$3.328.050,95.

OS CAMPEÕES – Diego Alves, Rafinha, Rodrigo Caio, Pablo Marí e Filipe Luis (Renê, 44 do segundo tempo); Willian Arão, Gerson, Everton Ribeiro (cap) e Arrascaeta (Berrio, 38 do segundo tempo); Gabriel e Bruno Henrique – o time de 42 pontos – 13 vitórias, 3 derrotas, 3 empates -, 42 gols marcados, 18 gols sofridos, campeão simbólico do turno.

EM TERCEIRO – Everson, Lucas Veríssimo, Luan Peres (Uribe, 20 do segundo tempo) e Gustavo Henrique; Victor Ferraz, Alison, Carlos Sanchez (Felipe Jonathan, 31 do segundo tempo) e Jorge; Marinho, Eduardo Sasha (Cueva, 24 do segundo tempo) e Soteldo – o time que perdeu o jogo e a vice-liderança, após a quarta derrota em dez jogos como visitante. Com 37 pontos – 11 vitórias, 4 derrotas, 4 empates, 30 gols a favor e 19 contra -, o Santos terminou o turno em terceiro, perdendo a vice-liderança para o Palmeiras, com 39 pontos. A estreia do Santos no returno será com o Grêmio, sábado (21), na Vila Belmiro.

SEM NOVIDADE – Dos sete cartões amarelos, bem aplicados pelo árbitro Braulio da Silva Machado, da Federação Catarinense e da FIFA, dois foram para os técnicos mais agitados do Brasileirão 2019. Aos 25 minutos do segundo tempo, o português Jorge Jesus e o argentino Jorge Sampaoli foram advertidos por terem reclamado (quase) ao mesmo tempo. Três minutos depois, Cueva levou o outro amarelo do segundo tempo, por falta em Rafinha.

OS OUTROS quatro amarelos haviam sido aplicados no primeiro tempo: Gustavo Henrique, aos 12, por falta em Bruno Henrique; Lucas Veríssimo, aos 24, por falta em Gabriel, também com cartão, por discutir com o zagueiro; Marinho, aos 27, por falta em Gerson, e Bruno Henrique, aos 34, por falta no meia uruguaio Carlos Sanchez.

TITE ASSISTIU – De volta, sem vitória, dos amistosos nos Estados Unidos com a Colômbia (2 x 2, depois de levar a virada e quase perder) e com o Peru (0 x 1), o técnico da seleção assistiu Flamengo 1 x 0 Santos. Dos que atuaram, ele reviu Bruno Henrique, a quem pouco aproveitou nos amistosos, e Jorge, que não foi escalado. 

TRÊS TAPINHAS – Jorge, lateral do Santos, queixou-se de ter levado três tapinhas de Jorge Jesus, técnico do Flamengo, pouco antes do final do primeiro tempo. Mas, na saída para o intervalo, entraram no túnel, de volta aos vestiários, trocando cumprimentos. Flamengo e Santos apoiaram a campanha Setembro Amarelo, de prevenção contra o suicídio.

Foto: Lance