O FLAMENGO CONFIRMOU O FAVORITISMO E COLOCOU UM PÉ NA FINAL DA LIBERTADORES, ao vencer o Barcelona por 2 x 0, na noite de ontem (22), no Maracanã, o que lhe dá o direito de perder por um gol, na próxima quarta (29), no estádio Monumental de Guaiaquil. A única coisa que faltou foi aproveitar o segundo tempo, com mais um em campo, para ampliar a vantagem e viajar ainda mais tranquilo para o jogo de volta no Equador. 

BOAS CHANCES – Antes de o Flamengo abrir o placar, com o gol de cabeça de Bruno Henrique aos 22, após lançamento preciso de Gabriel, houve cinco boas chances de gol, e as três primeiras foram do Barcelona. O carioca Diego Alves, de 36 anos, comprovou a qualidade de excelente goleiro, ao defender chutes de Mastriani, Castillo e Preciado. Depois, o Flamengo acertou duas vezes o travessão, em cabeçada de Bruno Henrique e em chute de fora da área do meia Andreas.

BOA JOGADA – A vitória do Flamengo, bem superior ao Barcelona, foi justa, embora sem brilho. A melhor jogada foi a do segundo gol, em que a bola passou por Everton Ribeiro, Gabriel e Vitinho, que fez o cruzamento rasteiro da direita para Bruno Henrique completar livre na pequena área. Na comemoração dos gols, Bruno Henrique colocou a bola por baixo da camisa, anunciando a chegada do filho, e após o segundo, ajoelhou-se e ergueu os braços, agradecendo a Deus.

O ESTREANTE – Bom dizer: David Luiz fez duas estreias em uma, no Flamengo e na Libertadores, ao voltar ao futebol brasileiro, depois de 14 anos, em que só havia jogado pelo Vitória da Bahia em 2007. Sem jogar desde junho, quando fez o último jogo pelo Arsenal, em Londres, o zagueiro paulista de 34 anos teve boa participação, marcando firme e até tentando avanços. Mereceu aplausos ao entrar para o aquecimento e ao ser substituído aos 13 do segundo tempo.

IGUAL A PELÉ E ZICO – Com os dois gols da noite, Bruno Henrique tem agora 16 gols na Libertadores, igual a Pelé, que fez 16 em 15 jogos, e a Zico, 16 em 20 jogos. Com 16 gols em 38 jogos, Bruno Henrique igualou em 2021 sua própria marca de quatro gols na temporada vitoriosa de 2019, em que o Flamengo ganhou a Libertadores pela segunda vez. Bom dizer: o maior artilheiro brasileiro da Libertadores é Luizão, com 29 gols em 42 jogos.

RECORDISTA – Renato Portaluppi completou 49 vitórias como técnico, em jogos da Libertadores, igualando-se ao recordista Gabriel Ochoa Uribe, 18 vezes campeão colombiano, 14 como técnico, 4 como goleiro. Reserva de Pompeia, no América, vice-campeão carioca de 1955, foi contratado a pedido do técnico Martin Francisco. Renato completou 18 jogos no Flamengo – 15 vitórias, 2 derrotas, 1 empate, 52 gols pró, 12 contra -, desde a estreia em 24 de julho.

UM POUCO ABAIXO – Flamengo 2 x 0 Barcelona registrou R$4.067.780,00, com 22.193 pagantes, na noite de ontem (22), no Maracanã. Embora a carga total tenha sido de 35.045 ingressos, foram colocados à venda 28.752 e vendidos 22.193, um pouco abaixo da expectativa do clube. No Equador não há restrição sanitária e o Barcelona poderá comercializar os 57.267 ingressos, capacidade máxima do estádio Isidro Romero Carbo, o Monumental de Guaiaquil.

EXPULSÕES – O árbitro Andrés Cunha, de 45 anos, da Associação Uruguaia de Futebol, teve atuação correta, aplicando sempre bem a lei da vantagem. O volante Molina foi bem expulso, aos 48 do primeiro tempo, pelo segundo cartão amarelo, na segunda falta em Bruno Henrique. O zagueiro Leo Pereira, que substituiu David Luiz aos 13, foi bem expulso aos 43 do segundo tempo, por falta grosseira e desleal, com uma cotovelada na cara do zagueiro Fernando Leon.

DIEGO ALVES, Isla (Mateuzinho), Rodrigo Caio, David Luiz (Leo Pereira) e Renê; Willian Arão, Everton Ribeiro, Vitinho (Tiago Maia) e Andreas (Pedro); Gabriel e Bruno Henrique (Michael) – o Flamengo dos 2 x 0 no Barcelona, com um pé na final da Libertadores 2021, sábado, 27 de novembro, no histórico estádio Centenário de Montevidéu, onde o Uruguai ganhou a primeira Copa do Mundo, ao vencer a Argentina por 4 x 2, no domingo, 30 de julho de 1930.

Fotos: Marcelo Cortes / CRF