O FLAMENGO DEIXOU ESCAPAR PELA TERCEIRA VEZ, E EM CIRCUNSTÂNCIAS IGUAIS, a chance rara de ser campeão brasileiro pelo terceiro ano consecutivo. Não faltou sequer a coincidência do placar, repetindo-se na noite de ontem (23), na Arena Grêmio, o que aconteceu na Arena Condá e na Arena da Baixada, quando abriu vantagem de dois gols e cedeu o empate. Foram seis pontos, entre outros não aproveitados, que serão lamentados no balanço final do ano.

DEPOIS DE SONOLENTO no primeiro tempo, o Flamengo voltou do intervalo no pique e deu a impressão de ter a vitória garantida, porque entre os gols de Vitinho, aos 12 e aos 28, o Grêmio passou a jogar com 10, com a expulsão de Jhonata Robert. Mas, ficou só na impressão. Corajoso, o Grêmio correu atrás do prejuízo e empatou em sete minutos, com os gols de Miguel Borja aos 30 e Ferreira aos 37. O Flamengo estava em Porto Alegre, mas, a cabeça, no Uruguai. 

AO GRÊMIO, JUSTIÇA SE LHE FAÇA: tem sido valente, guerreiro, multiplicando empenho pela honra de não descer do pedestal, apesar de todas as adversidades. Ainda não é certo que consiga, mas continua mostrando a força, mesmo em estádios vazios, dos mais determinados perseverantes. E, mesmo com menos um em campo, a reação para empatar com o Flamengo foi prova de muita grandeza e de como busca se superar para evitar o pior. Senso de equipe.

FOI UMA RODADA PERDIDA PARA O FLAMENGO, que outra vez não soube tirar proveito de tropeço do Atlético. Uma das lições que os mestres do futebol ensinam é que não são só os méritos próprios que levam à vitória e ao título. Saber explorar o erro do adversário é tão importante quanto, principalmente em um campeonato desgastante, com outras competições de permeio, porque a roleta da bola gira rápido e todos querem ganhar. Quanto mais, melhor.

AGORA, NÃO HÁ OUTRA SAÍDA AO FLAMENGO, SE NÃO SALVAR O ANO NO URUGUAI. Ganhar a Libertadores deixou de ser só a última chance do ano, de subir ao pódio para receber medalha e erguer a taça; é, sobretudo, evitar que 2021 não passe em branco, de mãos abanando, depois que a Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro foram para outros salões de troféus.

Foto: Jovem Pan