O FLAMENGO NÃO SOUBE APROVEITAR O TROPEÇO DO ATLÉTICO no 0 x 0 com o São Paulo nem a derrota do Palmeiras por 2 x 1 para o Corinthians para encostar nos dois primeiros e, o que é pior, pode cair duas posições se o Fortaleza vencer o Sport e o Bragantino ganhar do Fluminense, terminando a vigésima segunda rodada em quinto lugar. Michael fez o gol do Flamengo aos 43 e o América Mineiro empatou aos 49, no último lance, com o gol de cabeça do meia Alê.

CHANCE PERDIDA – Com menos três jogos, o Flamengo, com 35 pontos, só fez um ponto dos seis últimos, ao perder (1 x 0) para o Grêmio e empatar (1 x 1) com o América Mineiro, perdendo a chance de encostar no vice-líder Palmeiras (38) e no líder Atlético (46). A atuação do time, neste último domingo (26) de setembro, foi abaixo da média no estádio Independência, sob sol e muito calor, o que não se justifica, ainda que alguns titulares tenham sido poupados.

SEIS MINUTOS – América e Flamengo criaram poucas chances, principalmente no primeiro tempo, bem controlado pelas defesas. Renderam um pouco mais na volta do intervalo, sobretudo o América, com postura mais ofensiva, mas só chegaram ao gol nos seis minutos finais. Michael marcou seu quarto gol em 19 jogos, aos 43, tocando na saída do goleiro, e Alê (1,84m) fez seu primeiro gol em 14 jogos, ganhando no alto de Renê (1,74m) e empatando aos 49.

GABRIEL BATISTA, Mateuzinho (Rodinei), Gustavo Henrique, Leo Pereira e Renê; Willian Arão (Lazaro), Tiago Maia, Diego (Andreas) e Vitinho (Michael); Pedro e Bruno Henrique (Kenedy) -, o Flamengo do décimo nono jogo do técnico Renato Portaluppi, com o segundo 1 x 1 fora de casa (o primeiro foi com o Ceará). Com menos três jogos, o Flamengo tem 35 pontos, 11 vitórias, 6 derrotas, 2 empates, saldo de 17 gols, 36 marcados, 19 sofridos.

PRIMEIRO A VOLTA – No próximo domingo (3), no Maracanã, Flamengo x Athletico Paranaense, que se repetirá dia 20, em Curitiba, no primeiro jogo da semifinal da Copa do Brasil (o segundo será dia 27 no Maracanã). Em um campeonato confuso, devido aos problemas que a CBF não mostra competência para solucionar, o Flamengo fará o jogo do segundo turno com o Athletico, antes de ter feito o jogo do turno, fato que se repetiu em relação aos confrontos com o Grêmio.

EM QUEDA LIVRE – Depois do início alucinante dos sete primeiros jogos, com sete vitórias e quatro goleadas, 25 gols marcados e só três gols sofridos, o Flamengo foi goleado no Maracanã pelo Inter (4 x 0), mas voltou às vitórias, três de goleadas, 5 x 1 no Olímpia, 4 x 0 no Grêmio e no Santos. Desde então, é forçoso reconhecer que o time entrou em queda livre, sem ganhar dois jogos consecutivos no Brasileiro e com vitória pálida na semifinal da Libertadores.

OS QUATRO POUPADOS – O Flamengo deixou de escalar no 1 x 1 com o América Mineiro, Diego Alves, destaque nos 2 x 0 no Barcelona; David Luiz, que só fez um jogo (incompleto) ao estrear, depois de três meses fora do Arsenal; Everton Ribeiro, que mostra bom condicionamento fisico, e Gabriel. Não há como deixar de reconhecer que, mesmo podendo perder por um gol no Equador, o Flamengo está preocupado além da conta do jogo de volta no Equador.

ATRASO DE JOGO – Em pleno século XXI, o retrocesso no futebol brasileiro. O jogo começou com atraso, por falta de entendimento com relação aos uniformes, o que quase gerou briga entre as comissões técnicas. O América alegou que seria o terceiro jogo em que usaria camisa branca e queria atuar com a tradicional verde e preta. O Flamengo teria que usar camisa branca, como usou. O América então voltou ao vestiário e jogou com a camisa que queria jogar.

21 FALTAS – Anderson Luis Daronco, da Federação Gaúcha, atuação correta, marcou 21 faltas (12 do Flamengo), e só aplicou 2 amarelos (Ademir, do América, falta em Tiago Maia, e Mateuzinho, terceiro, falta em Ademir). Dos 25 chutes, 7 na direção do gol (5 do Flamengo, que acertou 503 passes, 84% de aproveitamento, e 373 passes certos do América, 76%. Na linha de equilíbrio do jogo, cada equipe teve seis escanteios. O atraso do início do jogo consta da súmula.

Foto: Metrópolis