Escolha uma Página

O FLAMENGO É AMPLO FAVORITO da semifinal de 3ª feira (7) com o Al Hilal, campeão da Arábia Saudita, que eliminou o Wydad Casablanca, campeão do Marrocos, por 5 x 3 nos pênaltis, depois de 1 x 1 em 120 minutos, na tarde deste sábado (4) de sol forte, no Estádio Príncipe Moulay Abdellah, na capital Rabat.

DOIS EX-FLAMENGO jogam na equipe saudita, treinada pelo ex-atacante argentino Ramon Diaz: o meia colombiano Gustavo Cuellar e o atacante goiano Michael, substituído aos 41 do 2º tempo pelo atacante argentino Luciano Vietto, que rendeu mais. O malinês Marega, ex-Porto, também não teve desempenho satisfatório.

O WYDAD CASABLANCA, com o apoio de 95% dos 45 mil torcedores, foi superior no 1º tempo, mas só fez o gol aos 7 do 2º, em cabeçada do lateral Ayoub El Amloud. O gol de empate do Al Hilal, aos 41, foi do meia Mohamed Kanno, de pênalti, cometido por Jabane, com a mão direita, e marcado no ato.

ANTES DA PRORROGAÇÃO, o Al Hilal ficou com 10, pelo segundo cartão amarelo em Jabane, por reclamação. O jogo teve o total de 22 minutos de acréscimos, com Ivan Barton, árbitro de El Salvador, tenso e gesticulando bastante. O técnico argentino Ramon Diaz, de 60 anos, do Al Hilal, chegou a pedir que se mantivesse calmo.

O AL-HILAL TEVE 100% de aproveitamento nos cinco pênaltis. O lateral canhoto Attiat-Allah, de Marrocos, 4ª na Copa do Mundo de 2022 – melhor colocação africana nas Copas -, foi o único a não converter. Na cobrança, ele acertou a trave direita, a bola correu a linha do gol, tocou na trave esquerda e saiu.

FLAMENGO E AL HILAL se enfrentarão pela segunda vez nas quartas de final do Mundial de clubes. Em 17 de dezembro de 2019, no Catar, depois de sofrer o gol de Al-Dawsari, aos 18 minutos, o Flamengo venceu de virada no 2º tempo por 3 x 1. Arrascaeta, Bruno Henrique e Ali Bulahi, contra, fizeram os gols. 

RAMON DIAZ, técnico do Al Hilal, foi campeão e artilheiro no River; na Inter de Milão; no Mônaco, e dirige o time saudita desde fevereiro de 2022, quando substituiu o português Leonardo Jardim. O Botafogo dispensou o técnico, antes que ele assumisse, em novembro de 2020, sem esperar que se recuperasse de cirurgia.

Foto: ESPN