O goleiro Raul é o próximo homenageado do Flamengo pelo título mundial de clubes de 1981, com um busto na sede da Gávea, onde já estão os de Leandro, Nunes, Adílio, Andrade e a estátua de Zico. O busto de Júnior ficou  no Ninho do Urubu porque foi com sua venda ao Torino, em 1984, que o clube construiu o Centro de Treinamento. O busto de Raul, com 20 títulos em 228 jogos, em seis anos no Flamengo, será inaugurado entre junho e julho.

20 TÍTULOS – Raul chegou ao Flamengo aos 33 anos e ganhou os campeonatos cariocas de 78, 79, Especial 79 e 81, ano em que foi campeão da Libertadores e Mundial de clubes. Penta da Taça Guanabara de 78 a 82, ganhou a Taça Rio em 78 e 83, e os campeonatos brasileiros de 80, 82, 83. Foi também o melhor goleiro nas conquistas dos torneios de verão na Espanha, Palma de Mallorca, em 78; Ramon de Carranza, em 79 e 80, e Colombino, em 80.

A CAMISA – O primeiro dos 557 jogos em 13 anos consecutivos no Cruzeiro, de 65 a 78, foi com uma camisa amarela, conseguida às pressas, porque a de cor preta era pequena e não podia vestir. Além do primeiro penta no Mineirão, de 65 a 69, ganhou também o tetra de 72 a 75, e em 77. Raul foi campeão brasileiro em 66 e da Libertadores em 76, ano também do vice mundial de clubes na final com o Bayern de Munique.

A SELEÇÃO – Não só no Flamengo e no Cruzeiro, mas também na seleção, acompanhei a vitoriosa carreira de Raul, que fez parte de três campanhas vitoriosas em 1976: Taça do Atlântico, Copa Roca e Torneio do Bicentenário dos Estados Unidos. Entre 75 e 80, Raul participou de 11 jogos da seleção, com 9 vitórias e 7 gols sofridos. Em 1982, esteve cotado para a Copa do Mundo na Espanha, mas Telê Santana levou Valdir Peres, Paulo Sergio e Carlos.

RAUL Guilherme Plasmann, de 75 anos, é de Antonina, município do litoral norte do Paraná, a 90 km da capital Curitiba, nascido em 27 de setembro de 1944. Por ser o mais velho (37 anos) do elenco de 1981, campeão da Libertadores e Mundial de clubes, era chamado de Velho pelos companheiros. O apelido pegou e ele sempre levou na esportiva. Tentou, sem êxito, ser técnico no Cruzeiro, em 87, e no gaúcho Juventude, em 2003.

Foto: Redação Rubro Negra