Escolha uma Página

Foto: site colunadoflamengo.com

Eliminado das finais do Campeonato Carioca, da Libertadores e da Copa do Brasil, o Flamengo anunciou na tarde desta sexta (28) a saída de Maurício Barbieri e a entrada de Dorival Júnior, que volta ao clube depois de cinco anos, em que comandou o time em 35 jogos em 2013, sem nenhum resultado prático. É o desespero dos dirigentes do Flamengo, na última tentativa de salvar 2018, que pode entrar para a história do clube, apesar de milhões em investimentos, como o ano sem título do futebol.

DORIVAL JÚNIOR, 56 anos, 20 anos mais velho que o também paulista Maurício Barbieri, é de Araraquara, onde jogou na Ferroviária em 1982, marcando cinco gols em 45 jogos como meio-campo de técnica razoável, inferior à de seu tio Dudu, que brilhou nas décadas 60 e 70, com Ademir da Guia como um dos melhores meios de campo da história do clube. Depois de encerrar a carreira no Juventude, de Caxias do Sul, na serra gaúcha, em 94-95, iniciou como técnico, em 2002, dirigindo a Ferroviária em apenas dois jogos.

O NOVO TÉCNICO do Flamengo foi campeão estadual no Figueirense em 2004; em 2005 no Fortaleza; no Sport Club Recife, em 2006; em 2008 no Coritiba; campeão paulista e da Copa do Brasil em 2010 com o Santos; no Internacional ganhou a Recopa Sul-Americana em 2011 e o campeonato gaúcho em 2012, voltando a ser campeão paulista em 2016 pelo Santos. O único título que ganhou dirigindo time carioca foi o Brasileiro da Série B com o Vasco, em 2009.

O FLAMENGO, antes de contratar Dorival Júnior pela primeira vez, em 25 de julho de 2012, dois dias antes havia demitido Joel Santana, por maus resultados. Dorival Júnior ficou oito meses no Flamengo, que o demitiu em 16 de março de 2013, a exemplo de seu antecessor, por maus resultados.

DORIVAL JÚNIOR vai observar o time no jogo de amanhã (29), às 21 horas, na Arena Fonte Nova, em Salvador, com o Bahia, décimo quinto colocado com 29 pontos, 7 vitórias, 8 empates, 11 derrotas, 26 gols marcados e 32 gols sofridos. A campanha do tricolor baiano, sob o comando do técnico Enderson Moreira, é irregular e dos 13 jogos em casa o time só ganhou 6, sendo as vitórias mais expressivas 3 x 0 sobre o Vasco e 4 x 1 sobre o Vitória. Em Salvador, o Bahia empatou quatro jogos e só perdeu dois para o Grêmio (2 x 0) e o Internacional (1 x 0).