O Flamengo está se tornando inconveniente, ao insistir na volta do futebol antes do tempo, passando por cima das autoridades sanitárias, com o aval de um prefeito que deveria cuidar da saúde do povo, e deixar de misturar política e religião, como fez ontem (25), ao liberar a reabertura de igrejas até para os idosos que fazem parte do grupo de risco.A verdade do Flamengo tem sido diferente, e desde logo é bom frisar que o Flamengo não é o dono da verdade. O Flamengo diz que precisa manter contato com políticos, sem que se entenda o que a política tem a ver com o futebol. A pressão no presidente, acompanhada de uma nova camisa, para que o presidente pressionasse o prefeito, foi uma vergonha

.COMITÊ CIENTÍFICO – O prefeito diz ter análise do comitê científico, mas o comitê científico não aprova reabertura de igreja e o prefeito mandou abrir. O comitê científico não aprova treino e jogo, mas o prefeito autoriza. O prefeito quer que o futebol só volte em julho, mas o Flamengo quer que volte em junho e o prefeito concorda.  Foi outra vergonha!

FASE MAIS AGUDA – O Rio é o segundo estado com mais casos – 39.298 – e mais mortes – 4.105 -, pelos números da noite de ontem (25). O comitê científico reconhece que o Rio passa pela fase mais aguda da pandemia do novo coronavírus, após o recorde de 248 mortes registradas na noite do último sábado (23). O prefeito ignora e autoriza a volta do futebol. Mais outra vergonha!

SINDICATO DOS JOGADORES – Por bem menos, Umberto Calcagno, presidente da Associação Italiana de Jogadores, disse ontem (25) que os jogadores não aceitame não jogam, se na volta do campeonato, a Federação marcar os jogos às 16h30m, sob o sol escaldante do início do verão. O Sindicato dos Jogadores do Rio tem que ser tão firme, inclusive com relação ao intervalo dos jogos, que o Flamengo pretende reduzir. Aguarda-se a posição.