Escolha uma Página

Jorge Jesus, técnico campeão da segunda Libertadores da história do Flamengo, disse que as muitas manifestações pela conquista o deixaram superfeliz: “Sinto muito orgulho de ser português e sei que o Flamengo entrou no coração de Portugal”.

MUITO MELHOR – O técnico disse que Flamengo 2 x 1 River foi muito melhor que Liverpool 2 x 0 Tottenham, a final da última Champions League: “Assisti no estádio, em Madrid, e atesto que esse jogo da Libertadores teve muito mais conteúdo, em técnica e tática. Foi muito melhor”.

RECONHECEU – Jorge Jesus reconheceu que o River tirou o Flamengo do jogo na primeira meia hora: “Foi uma equipe que soube trabalhar mais com o domínio da bola. Senti os jogadores calmos no intervalo e pedi pela reação. Nossos 15 minutos finais foram lindos”.

EXALTADO – O técnico não nega ter pavio curto em certos momentos: “Exaltei-me com meu assistente João de Deus porque o vi a comemorar antes do fim do jogo. O futebol é cruel, traiçoeiro. Já perdi título faltando 10 segundos. Fiquei exaltado e até irritado”.

MARINHA – Jorge Jesus agradeceu a tantas manifestações que recebeu de Portugal, inclusive dos navios da Marinha, que hastearam a Bandeira no alto dos seus mastros, e lhe mandaram uma mensagem de parabéns: “Onde há um português está Portugal”.

DIFERENCIADO – O treinador campeão da Libertadores 2019 diz ser preciso que o entendam: “Tenho meu temperamento e minhas reações como as de qualquer outro ser humano. Sou diferenciado, se estiver na China, em Inglaterra, em Portugal ou no Brasil”.

MAIS IMPORTANTE – Jorge Jesus salientou: “Já vivi momentos especiais no futebol e na vida pessoal. Considero que essa vitória, nas circunstâncias em que foi conseguida e em tão poucos minutos, quando já não mais se acreditava, foi a minha mais importante”.

CARINHO – O técnico disse que não há tantas palavras para agradecer o carinho das manifestações. Benfica, Braga, Setubal e a Liga de Clubes também emocionaram Jorge Jesus. No entanto, a mensagem do Sporting foi especial, parabenizando “o sócio” pelo maior troféu do futebol da América do Sul. Parte desta matéria, lida com muita atenção, deve ser creditada aos colegas portugueses de A BOLA, desde 29 de janeiro de 1945, o mais prestigioso dos excelentes e respeitados diários esportivos portugueses.