A decisão da edição histórica de número 60 da Copa Libertadores, que Flamengo e River disputarão no sábado, 23 de novembro, no Estádio Nacional de Santiago, capital do Chile, será o quinto confronto entre os times, sem que o Flamengo tenha perdido uma só vez para o atual campeão do maior torneio de clubes do continente sul-americano.

HISTÓRICO – O Flamengo foi o primeiro brasileiro a ganhar do River no Estádio Monumental de Nuñez, palco da primeira Copa do Mundo que a Argentina ganhou em 1978. O feito ganhou realce histórico porque, pela primeira vez, o River perdeu em seu estádio por diferença de três gols. 3 x 0 foi o resultado final, com show de bola.37 ANOS – A vitória do Flamengo, diante de 62 mil torcedores, foi na sexta-feira, 22 de outubro de 1982, sob muita chuva em Buenos Aires. Lico marcou o gol do primeiro tempo aos 11 minutos, e na volta do intervalo, Zico fez 2 x 0 aos 5 e Nunes fechou o placar aos 43. River 0 x 3 Flamengo foi apitado sem problema pelo chileno Mario Lira.

O TIME – Sob o comando de Paulo Cesar Carpegiani, o time que ganhou de 3 x 0 do River teve Cantarelli, Leandro, Marinho, Mozer e Júnior; Andrade, Adilio e Zico (Peu); Wilsinho, Nunes e Lico. No jogo de volta, diante de 68 mil rubro-negros no Maracanã, o Flamengo venceu (4 x 2), com os gols de Tita, Júnior, Zico e Ronaldo Marques, dia 2 de novembro.

36 ANOS – Depois dos dois jogos em 1982, Flamengo e River só voltaram a se enfrentar pela Libertadores em 2018, quando estrearam na noite da quarta-feira, 28 de fevereiro. Não havia público no estádio Nilton Santos porque o Flamengo estava punido pela Conmebol, pelos conflitos entre torcedores na final da Sul-Americana de 2017, no Maracanã, que o Flamengo perdeu para o San Lorenzo (2 x 1 na Argentina, 1 x 1 no Rio).

OUTRO EMPATE – No jogo de volta, dia 23 de maio, em Buenos Aires, o Flamengo atacou pouco, mas teve um pênalti de Lucas Pratto no zagueiro Rhodolfo, não marcado pelo uruguaio Andrés Cunha. O Flamengo, já classificado para as oitavas de final, era dirigido por Maurício Barbieri,  e o 0 x 0 manteve o River na liderança do Grupo 4.

FINAL INÉDITA – Flamengo e River farão final inédita da Libertadores: a sexta do River, quatro vezes campeão – 86, 96, 2015 e 2018 -, e a segunda do Flamengo, campeão em 1981, ano em que também ganhou o Mundial de clubes pela única vez. Será a décima terceira final entre brasileiros e argentinos, que ganharam oito.

PRÊMIO RECORDE – O campeão da sexagésima Libertadores terá prêmio recorde, em torno de 60 milhões de reais, pelo aumento da Confederação Sul-Americana de Futebol. Os 5 x 0 sobre o Grêmio renderam ao Flamengo mais 24 milhões de reais, além da estupenda arrecadação, superior aos 8 milhões de reais da venda de ingressos.

A CONMEBOL, de acordo com o presidente Alejandro Dominguez, paraguaio de 47 anos, dobrou a premiação dos clubes na Libertadores 2019, graças ao apoio de anunciantes de prestígio mundial. Só nas fases de grupos, oitavas, quartas e semifinais o total da premiação passou de 650 milhões de reais.