O Flamengo manteve 100% de aproveitamento nos jogos em casa, foi muito pressionado ao sofrer a virada em oito minutos na volta do intervalo, ganhou na segunda virada, com dois gols em cinco minutos, mas não fez boa apresentação nos 3 x 2 deste último domingo (26) de maio, sobre o Atlético, campeão paranaense, que sofreu a segunda derrota como visitante. O Flamengo saiu para o intervalo com 1 x 0, beneficiado pelo erro do árbitro gaúcho Daniel Bins, que marcou pênalti inexistente e confirmou depois de consultar o VAR (sigla em inglês) do árbitro de video.

MAL MARCADO – O pênalti do goleiro Santos em Gabriel, aos 28 minutos, foi mal marcado e o árbitro demorou quase três minutos para revisar o lance no video e mais dois minutos para confirmar de modo errado. Gabriel caiu na área ao bater com o joelho no goleiro, que não o tocou. Na cobrança, com chute forte de canhota, no alto, Gabriel converteu, marcando seu décimo primeiro gol em 22 jogos com a camisa rubro-negra e voltando a fazer gol após quatro jogos.

GOLEIRO BEM – Diego Alves fez mais um bom jogo. Ele salvou o Flamengo em chute de meia distância de Marcelo Cirino e na cabeçada de Erick, na pequena área, nos acréscimos do primeiro tempo. O Flamengo recuou muito no início do segundo tempo e o Atlético – sem sete titulares – aproveitou para dominar e fazer a primeira virada, contando com o erro de marcação dos laterais Renê e Pará para empatar aos 18 minutos, com o gol na pequena área de seu ex-atacante Marcelo Cirino.

PÊNALTI CLARO – A virada do Atlético foi possível oito minutos depois, quando Bruno Henrique, recuado em auxílio da defesa, usou a mão direita no ombro esquerdo de Madson, aos 21. Entre reclamações e revisão do VAR, cinco minutos até que Marcelo Cirino efetuasse a cobrança, com chute forte. O goleiro Diego Alves chegou a tocar na bola com a mão direita. Foi a virada aos 26 minutos e o Atlético incorreu no erro de recuar, como fizera o Flamengo na volta do intervalo.

SEGUNDA VIRADA – Sob muita pressão, o Flamengo viu-se obrigado a reagir e a dar uma resposta aos mais de 50 mil torcedores. Voltou a dominar o jogo, mas só conseguiu a virada nos cinco minutos finais. Até então figura apagada e com um pênalti que não precisava cometer, Bruno Henrique empatou de cabeça aos 44, após cruzamento de Renê, que acertou de novo ao cruzar aos 51 minutos, quando Rodrigo Caio, com excelente impulsão, cabeceou forte no canto direito: Flamengo 3 x 2.

ALÍVIO GERAL – A virada representou alívio geral. A massa rubro-negra comemorou em delírio; os jogadores correram para se solidarizar com o técnico e Abel Braga, que passa a depender de vitórias para continuar, não pôde esconder a emoção, ao sair para o vestiário abraçado com Pará. Pouco importa que o Atlético, pensando na decisão da Recopa Sul-Americana com o River, em Buenos Aires, tenha levado o que se convencionou chamar de time alternativo, com apenas três titulares.

FLAMENGO – Diego Alves, Pará (Rodinei, 35 do segundo tempo), Thuler, Rodrigo Caio e Renê; Piris da Mota (Vitinho, 29 do segundo tempo), Arão, Everton Ribeiro e Diego; Bruno Henrique e Gabriel (Lincoln, 39 do segundo tempo). O próximo jogo será sábado (1 de junho) com o Fortaleza, no estádio Nilton Santos, porque o Maracanã já estará cedido à organização da Copa América. Outro jogo com mais de 50 mil torcedores no Maracanã: R$1.571.771,50. 49.124 pagantes.

ATLÉTICO – Santos, Madson, Lucas Haler, Leo Pereira e Marcio Azevedo; Wellington, Erick e Marcio Rossetto (Bruno Guimarães, 29 do segundo tempo); Thonny Anderson (Tomás Andrade, 13 do segundo tempo), Braian Romero (Paulo André, 41 do segundo tempo) e Marcelo Cirino. Técnico – Tiago Santos

SEM CONVICÇÃO – O árbitro Daniel Bins, da Federação Gaúcha, atuou sem convicção, principalmente nos lances de área. Errou, mesmo depois do recurso à tecnologia, ao confirmar o pênalti a favor do Flamengo, e não teve firmeza para marcar o pênalti claro para o Atlético, a não ser depois de consultar o VAR.

PROTESTO – Milhares foram os protestos dos torcedores do Flamengo contra a decisão do clube de aumentar o preço dos ingressos, o que os levou a comprar mais os dos setores Sul e Leste. Nos protestos, disseram que o preço abusivo no setor Norte, preferido pela maioria, fez com que fossem para os dois outros setores. O clube alega que as despesas do estádio também aumentaram, principalmente com segurança e serviço médico.

19 JOGOS – Na vitória sobre o campeão paranaense, o Flamengo completou 19 jogos este ano no Maracanã, mantendo-se com 100% de aproveitamento: 3 x 1 no Cruzeiro, na estreia; 2 x 1 na Chapecoense e 3 x 2 no Atlético Paranaense. Bom dizer: o Flamengo só conseguiu essas três vitórias como mandante, perdendo fora de casa (2 x 1) para o Atlético Mineiro e o Internacional. O Flamengo terminou a sexta rodada com 10 pontos, 3 vitórias, 1 empate, 2 derrotas, 11 gols marcados e 9 gols sofridos.

Foto: Lance