O Flamengo ainda não sabe o que é vencer em 2021. Depois do 0 x 0 no último jogo de 2020 com o Fortaleza, duas derrotas consecutivas no Maracanã, ao sofrer a virada (2 x 1) nos acréscimos do Fla-Flu, e ao perder para o Ceará pelo mesmo placar (2 x 0) do turno, na Arena Castelão. Um domingo ruim para Rogerio Ceni, muito pressionado e já sob ameaça de demissão, ao completar exatos dois meses no comando do time, que desde 10 de novembro de 2020, ainda não conseguiu mostrar evolução.

INCOMPETENTE – O Flamengo voltou a mostrar incompetência, repetindo as falhas do 0 x 0 em Fortaleza, onde até pênalti perdeu, em cobrança bisonha de Pedro, passando pela virada de 2 x 1 que levou do Fluminense nos acréscimos, e chegando à terceira decepção, segunda consecutiva no Maracanã, onde levou um gol aos 13 do primeiro tempo, não soube reagir, e sofreu o segundo gol, no minuto final, depois de utilizar no segundo tempo as cinco substituições, que nenhum efeito produziram.

MAIS DISTANTE – Pela terceira vez, o Flamengo não soube aproveitar tropeço do São Paulo, e em vez de se aproximar, vai ficando mais distante do objetivo de ser campeão dois anos consecutivos, como aconteceu em 82-83, no canto do cisne da geração Zico. O Flamengo continua não apenas sete pontos abaixo do líder, mas a quatro pontos do vice-líder Internacional, em franca ascensão, e podendo também ficar a quatro pontos do terceiro, se o Atlético Mineiro vencer hoje (11) o Bragantino.

NÃO DEU CERTO – Rogerio Ceni foi a segunda tentativa do Flamengo que não deu certo, desde que o espanhol Torrent, sem lastro como técnico e apenas assistente de Guardiola, substituiu o português Jesus, nos últimos dez anos, o que apresentou melhor índice de aproveitamento. O tempo até poderá dar mais experiência a Ceni e torná-lo bom treinador, mas o retrospecto não aconselhava que o Flamengo investisse em quem não deu certo no São Paulo e no Cruzeiro, pagando multa ao Fortaleza.

MAS É BOM QUE não se direcione só ao técnico a culpa pela queda de rendimento. Jogadores que tiveram atuações notáveis nas conquistas de quase todos os títulos, entraram em declínio vertiginoso, o que não pode ser debitado apenas na conta do treinador. Quem acompanha com atenção, com certeza há de estar notando e se perguntando: por que o Flamengo, com o mesmo grupo de jogadores e até a entrada de alguns, ditos reforços, deixou de render o que rendia antes?

OBSERVAÇÃO – Foi feliz em sua observação, um dia antes do jogo, o técnico Guto Ferreira: “O Ceará está rivalizando com adversários mais fortes jogo a jogo”. O técnico citou o resultado adverso no jogo anterior: “A derrota para o Internacional, que vejo como candidato em potencial ao título, vai nos dar uma vontade ainda maior da que já tínhamos de ganhar do Flamengo”. Bom dizer: o Ceará, do técnico paulista Guto Ferreira, chegou ao quarto jogo com três vitórias e um empate.

TRÊS VEZES 4 – Em exatos dois meses à frente do time, Rogerio Ceni sofreu a quarta derrota em doze jogos, com quatro vitórias e quatro empates. O Flamengo foi eliminado da Copa do Brasil com duas derrotas para o São Paulo no placar agregado de 5 x 1 (2 x 1 no Maracanã, 3 x 0 no Morumbi), e foi eliminado da Libertadores, maior objetivo do clube em 2020, pelo Racing, com dois 1 x 1 com o time que é a quinta força do futebol argentino. E a despedida do Brasileiro está sendo melancólica, dolorosa.

CESAR, Isla (Vitinho), Rodrigo Caio, Gustavo Henrique (Diego) e Filipe Luis (Renê); Arão, Gerson, Everton Ribeiro (Gabriel) e Arrascaeta; Bruno Henrique e Pedro (Muniz) – o Flamengo, do técnico Rogerio Ceni, quarto, 49 pontos em 28 jogos – 14 vitórias, 7 derrotas, 7 empates, pior saldo de gols (8) do G4, com 47 marcados e 39 sofridos. Os próximos jogos serão fora do Rio, dia 18 com o Goiás, e dia 21 com o Palmeiras.

RICHARD, Eduardo, Tiago (Klaus), Luis Otávio e Bruno Pacheco; Fabinho (Kelvyn), Sobral, Lima (Charles) e Vinícius; Leo Chu (Saulo) e Cleber (William) – o Ceará, do técnico Guto Ferreira, nono, 39 pontos em 29 jogos – 10 vitórias, 10 derrotas, 9 empates, saldo de 1 gol (40 a 39) -, que pode cair uma posição, se o Corinthians, com 39 pontos e 10 vitórias, mas único zerado no saldo de gols (30 a 30), vencer o Fluminense, quarta (13), na Arena Corinthians.

GOLEADORES – O meia Vinícius, que fez 1 x 0 aos 13 do primeiro tempo, é paranaense de Curitiba, tem 29 anos e o Ceará é o sétimo time de sua carreira, campeão e artilheiro da Copa do Nordeste de 2020. O volante Kelvyn, que marcou o segundo gol aos 47 do segundo tempo, tem 21 anos, é paulista de Osasco, e fez o primeiro jogo após renovar o contrato até o fim de 2021. Kelvyn, em inglês, significa amigo de navios.

Foto: ANDRÉ DURÃO