Escolha uma Página

Com atuação sem brilho e pouco convicente, na noite deste sábado (5), no estádio Nilton Santos, o Flamengo, de uniforme branco, venceu o Botafogo por 1 x 0, gol do meia Everton Ribeiro, capitão e jogador mais lúcido do time, aos 10 minutos do segundo tempo, aproveitando erro do lateral Marcinho. O Flamengo é terceiro, com 42 pontos, igual ao Atlético Mineiro, e a 2 pontos do líder São Paulo, que jogarão neste domingo (6). O Botafogo, há oito jogos sem vencer, permanece em penúltimo.

MUITO RUIM – Com pouca criatividade, Botafogo e Flamengo fizeram primeiro tempo muito ruim, sem mostrar que poderiam melhorar na volta do intervalo. Com a competência de Everton Ribeiro, rápido e certeiro no gol único do jogo, aos 10 minutos do segundo tempo, o Flamengo decidiu o clássico, manteve-se próximo do líder e vice-líder, enquanto o Botafogo, por mais empenho que demonstrasse, não conseguiu travar a série consecutiva de tantos resultados ruins (6 derrotas, 2 empates).

EXPULSÕES – Nos minutos finais do clássico, o árbitro Anderson Luis Daronco, de 39 anos, da Federação Gaúcha e da FIFA, expulsou com acerto o lateral-esquerdo Victor Luis, do Botafogo, por falta dura no atacante Rodrigo Muniz, aos 40, e o zagueiro Gustavo Henrique, do Flamengo, aos 43, por puxar o atacante Lucas Campos pelo calção. A falta criou a chance do empate, mas o goleiro Diego Alves defendeu bem a cobrança do africano Kalou. Dois cartões amarelos: Rhuan e Everton Ribeiro.

BOTAFOGO – Diego Cavalieri, Marcinho (Barrandeguy), Forster, Benevenuto e Victor Luis; Zé Welison (Mateus Babi), Honda e Caio Alexandre (Luis Otávio); Bruno Nazario (Lucas Campos), Rhuan (Kalou) e Pedro Raul. Técnico – Felipe Lucena. Com a nona derrota em 23 jogos – 3 vitórias, 11 empates, saldo negativo de 8 gols (22 a 30) -, o Botafogo é penúltimo colocado e terá dois jogos seguidos fora de casa: quarta (9) com o São Paulo (jogo atrasado), e domingo (13) com o Internacional.

FLAMENGO – Diego Alves, Isla, Rodrigo Caio, Gustavo Henrique e Filipe Luis; Arão, Gerson, Everton Ribeiro (Michael) e Arrascaeta; Pedro (Rodrigo Muniz) e Bruno Henrique (Vitinho). Técnico – Rogerio Ceni. O Flamengo é terceiro com 42 pontos em 23 jogos – 12 vitórias, 6 empates, 5 derrotas, saldo de 7 gols (38 a 31) – e o próximo jogo será com o Santos, domingo (13), no Maracanã.

“AQUI PREZAMOS PELAS VIDAS” –  O Movimento “Ninguém Ama Como a Gente”, liderado por um grupo de botafoguenses, estendeu a faixa na arquibancada do estádio Nilton Santos, provocando revolta em dirigentes do Flamengo, assim que chegaram ao estádio, e até conseguiram que fosse retirada, sob ameaça de levar o tema ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva. Horas depois, os torcedores conseguiram que a faixa fosse recolocada.

O BOTAFOGO explicou que os dizeres da faixa “Aqui prezamos pelas vidas”, nada têm a ver com nenhum outro clube: “É só a reafirmação que o Botafogo sente, com muito orgulho, por preservar vidas” – resumiu um dos integrantes do Movimento “Ninguém Ama Como a Gente”. O clube destacou também que sua postura foi primordial para conseguir o mais recente patrocínio master da camisa.

ESTRANHEZA – Os dirigentes do Botafogo, em tom sóbrio e equilibrado, disseram manifestar estranheza pela irritação dos dirigentes do Flamengo, e salientaram: “Preservar a vida é uma regra que o Botafogo nunca deixou de cumprir, daí a tristeza que sentimos pela irritação e por terem conseguido, por momentos que tenham sido, retirar a faixa que estendemos sem provocar nem ofender a nenhum outro clube. Beirou o absurdo não termos liberdade de expressão em nossa própria casa”.

Foto: UOL Esporte