Não é normal, mas pode acontecer. Pela segunda vez, o Flamengo caiu de quatro! De 4 x 1 para o São Paulo e de 4 x 0 para o Atlético Mineiro, que é bom dizer desde logo: não vencia há cinco jogos – 1 x 1 Fluminense, quando perdeu os 100% de aproveitamento no Mineirão; 1 x 3 Bahia; 0 x 0 Sport, segundo tropeço no Mineirão, 0 x 3 Palmeiras – nem fazia gol nos dois últimos jogos. A defesa do Flamengo é a segunda mais vazada: 29 gols em 20 jogos. Só a do lanterna Goiás sofreu mais: 33.

TRÊS JOGOS – O Flamengo escapou da derrota no penúltimo jogo do turno, quando o gol de cabeça de Everton Ribeiro salvou o time nos 2 x 2 com o Internacional, mas não se livrou dos 4 x 1 do São Paulo nem dos 4 x 0 do Atlético, que o tirou da vice-liderança, quando poderia, em caso de vitória no Mineirão, ter iniciado o returno em primeiro lugar. Pela terceira vez, como após os empates com Bragantino e Internacional, o Flamengo deixa de ser lider. Levando dois gols em oito minutos, fica difícil. 

PICHAÇÃO – Os muros brancos da sede da Gávea foram pichados no início da madrugada desta segunda (9), com a massa rubro-negra revoltada com a zoação dos inimigos, sempre mais felizes quando o arquirrival perde do que quando seus próprios times ganham. Os atleticanos da capital mineira estão com a imaginação a mil: “Descoberto o primeiro caso de Ebola em Belo Horizonte. Ebola na rede do Flamengo… E encontraram na internet, até a maior goleada da história do clássico.

6 x 1 EM 2004 – No próximo sábado (14), véspera dos 122 anos do Flamengo, faz 16 anos que o Atlético aplicou a maior goleada (6 x 1) da história dos confrontos, no Campeonato Brasileiro, no domingo, 14 de novembro de 2004  segundo ano dos pontos corridos , no estádio de Ipatinga. Alex Mineiro (2), Marcio, Zé Antonio, Renato e Wagner, e Jean, o gol do Flamengo, que tinha Julio Cesar, Junior Baiano, expulso quase no final, Zinho e Junior, entre outros bons do time que o ex-volante Andrade dirigia.

HISTÓRICO – Os atleticanos também estão lembrando que Eu acredito! foi criado em 2014, após o Flamengo vencer (2 x 0) no Maracanã, obrigando o Atlético a ganhar por três gols no Mineirão para ser finalista da Copa do Brasil. E ganhou (4 x 1), de virada,  gols de Maicosuel, Dátolo e Luan, após Everton fazer 1 x 0 e Carlos empatar ainda no primeiro tempo. O Atlético foi à final e ganhou sua única Copa do Brasil, com 2 x 0 e 1 x 0 no Cruzeiro, que havia eliminado o Santos na outra semifinal.

DOIS EM QUATRO – O Flamengo de ontem (8), no Mineirão, foi ainda mais frágil do que no domingo anterior, quando levou 4 x 1 do São Paulo. O time se expôs muito desde o início e sofreu o gol de Sasha, aos 4, e o de Keno aos 8minutos, com belas assistências do venezuelano Savarino. Se houvesse aproveitado a chance de ouro, no primeiro minuto do segundo tempo, quando ficou com o gol aberto e cabeceou no travessão, Bruno Henrique talvez tivesse mudado a história do jogo.

O CRUZAMENTO sob medida deAranana cabeça de Sasha, aos 14 minutos, abateu ainda mais o Flamengo, que aos 38 sofreu o golpe final dos 4 x 0, com o gol do meia argentino Matias Zaracho, de 22 anos, em outra excelente assistência de Savarino, o melhor do jogo. EVERSON, Guga (Zaracho), Rever (Gabriel), Igor Rabelo, Junior Alonso e Arana; Allan (Borrero), Alan Franco, Savarino e Keno (Marrony); Sasha (Bueno) – um time para o atleticano recordar por bom tempo.

VOLTA DA DUPLA – Gabriel entrou aos 32 do segundo tempo no lugar de Pedro, que hoje (9) se integra à seleção, e volta a fazer dupla com Bruno Henrique, quarta (11), no Maracanã, no jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil com o São Paulo, 10 dias depois dos 4 x 1. HUGO, Isla, Gustavo Henrique (muito mal), Natan e Filipe Luis (Renê); Arão, Tiago Maia (Michael) e Gerson; Everton Ribeiro (Lincoln), Pedro (Gabriel) e Bruno Henrique – longe do Flamengo de outras grandes jornadas.

MUITA PRESSÃO – O técnico Domènec Torrent talvez esteja longe de imaginar a reação dos torcedores do Flamengo, depois de três goleadas, a partir dos 5 x 0 do Independiente del Valle, na noite de 17 de setembro, no Equador; de 4 x 1 do São Paulo, no primeiro domingo de novembro, no Maracanã, e dos 4 x 0 do Atlético, uma semana depois no Mineirão. Cinco derrotas em quatro meses, desde 8 de agosto, mais do que o Flamengo sofreu em 13 meses com Jorge Jesus (43 vitórias, 10 empates, 4 derrotas).

BOA ESTREIA – Terceiro técnico do time no Brasileiro 2020, depois de Barroca e Jorginho, o santista Rodrigo Santana, ex-meia de 38 anos, foi bem na estreia no Coritiba, mesmo duas vezes em desvantagem no placar da Arena Beira Rio. O Internacional fez 1 x 0, gol de cabeça de Yuri Albertoe Giovanni Augusto empatou logo na volta do intervalo. O gol do meia Nonato, aos 13, só garantiu a segunda vantagem do Inter até o empate final, aos 29, na cabeçada do zagueiro Sabino, após escanteio.

O CORITIBA ganhou fôlego ao subir para o décimo quinto lugar, embora igual em pontos (20) ao Bragantino e ao Botafogo, primeiro dos quatro últimos, e o Internacional terminou o domingo aliviado com o resultado do Mineirão, que o manteve na liderança, com 36 pontosVice-lider com 35, o Atlético passou a ter outra vantagem, a de mais uma vitória (11 a 10), que Inter e Flamengo, que caiu para terceiro, com pior saldo de gols (4). O saldo do Inter é de 14 e o do Atlético, de 12.

Foto: Paraná Portal