Escolha uma Página

O BOCA JUNIORS, maior campeão argentino com 35 títulos, eliminou o Palmeiras por 4 x 2 nos pênaltis, após 1 x 1 nos 90 minutos da noite de ontem (5), no Allianz Parque, em São Paulo, e fará com o Fluminense a decisão dos contrastes, dia 4 de novembro no Maracanã. Enquanto o Fluminense quer o primeiro título, 15 anos depois de perder sua única final em 2008 para a LDU, do Equador, o Boca tenta igualar o recorde de outro argentino, o Independiente, sete vezes campeão.

SERÁ O SÉTIMO confronto da história de Fluminense x Boca, todos pela Libertadores, e valerá o desempate, de vez que cada time ganhou dois e houve dois empates nos seis jogos, o primeiro em 28 de maio de 2008 (2 x 2, na Bombonera). No jogo de volta, em 4 de junho, no Maracanã, o Fluminense ganhou de virada (3 x 1), com gols de Palermo para o Boca, Conca, Washington e Dodô, e se classificou pela primeira vez para a final, que perdeu nos pênaltis para a LDU.

FLUMINENSE E BOCA voltaram a se enfrentar em 2012, quando o Fluminense venceu o Boca por 2 x 1 em Buenos Aires (7/3/2012), e já classificado para as oitavas de final, perdeu os 100% de aproveitamento no jogo de volta no Maracanã (11/4/2012) por 2 x 0, gols de Riquelme e Miño, e quase no final, Rafael Moura perdeu um pênalti. Embora Estádio Olímpico João Havelange, o estádio arrendado pelo Botafogo ainda era chamado de Engenhão (atual Nilton Santos).

FLUMINENSE E BOCA fizeram mais dois jogos pela Libertadores em 2012: Boca 1 x 0, na Bombonera (17/5/2012), e o mais recente (1 x 1, pelas quartas de final), em 23 de maio, no Engenhão. Tiago Carleto marcou o gol do Fluminense e Santiago Silva empatou. O time do técnico Abel Braga: Diego Cavalieri, Bruno, Gum, Anderson e Tiago Carleto; Edinho, Jean, Wagner (Wellington Nem) e Tiago Neves; Rafael Sóbis (Marcos Junior) e Rafael Moura.

O FLUMINENSE está participando pela nona vez, terceira consecutiva em 2023, quando obteve sua terceira maior goleada na Libertadores, 5 x 1 sobre o River, quatro vezes campeão. Vice em 2008, o Fluminense só não se classificou duas vezes na fase de grupos, em 1971 e em 1958. Em 2023, na fase de grupos, 1 x 1 e 3 x 1 no Sporting Cristal; 1 x 0 e 0 x 1 com The Strongest; 5 x 1 e 0 x 2 com o River. Nas oitavas, 1 x 1 e 2 x 0 no Argentinos Juniors; nas quartas de final, 2 x 0 e 3 x 1 no Olimpia, e nas semifinais, 2 x 2 e 2 x 1, de virada, no Internacional.

O BOCA está participando pela 34ª vez e se classificou para sua 11ª final. Bicampeão em 1977, quando venceu o mexicano Cruz Azul (5 x 4 nos pênaltis), e em 1978, goleando (4 x 0) o Deportivo Cali, da Colômbia; bicampeão em 2000, vencendo o Palmeiras nos pênaltis (4 x 2); campeão em 2003, derrotando o Santos (2 x 0 na Argentina, 3 x 1 no Morumbi), e o sexto título, em 2007, goleando o Grêmio (5 x 0 na Bombonera, e 3 x 0 em Porto Alegre).

A CONFEDERAÇÃO Sul-Americana de Futebol informou na noite de ontem (5) que os ingressos para Fluminense x Boca, variando de R$800,00 a R$1.300,00, estão esgotados, sem citar a quantidade. Os ingressos são comercializados por operadoras, que até já anunciam a venda de pacotes para o Mundial de clubes, em dezembro, na Arábia Saudita, por R$12.900,00, incluindo passagem, hospedagem e ingresso.

Foto: Divulgação