O Fluminense precisava vencer por dois gols e passou da conta, em noite iluminada de Nenê, que fez os gols dos 3 x 0 da noite de ontem (25), no Maracanã, sobre o Figueirense, que havia vencido (1 x 0) o jogo de ida, em março, em Florianópolis. Com os três gols, Nenê não é só o artilheiro da Copa do Brasil com cinco, mas o artilheiro do futebol brasileiro em 2020 com 15 gols. Foi a segunda vitória consecutiva do Fluminense, sem sofrer gol, depois do 1 x 0 sobre o Athletico Paranaense, em Curitiba.

MOTIVAÇÃO – Os três gols aumentaram muito a motivação de Nenê para o restante da temporada. Capitão e principal jogador do Fluminense, ele quer superar os 20 gols/ano, que marcou em cada um dos outros grandes que já defendeu. Bom lembrar: no Mônaco, entre 2007-10, ele fez 22 gols em 73 jogos; no PSG, entre 2010-12, 52 gols em 113 jogos, e no Vasco, entre 2015-18, 44 gols em 132 jogos. Nos três times, Nenê fez 15 gols em cada temporada, marca que já igualou e deve superar no Fluminense.

PINTURA – O canhoto Nenê é um dos especialistas em pênaltis e faltas, como se viu no primeiro gol, ao acertar o ângulo, na cobrança da falta de Geovane em Dodi, pouco antes da meia-lua, aos 15 minutos. Na volta do intervalo, após assistência do uruguaio Michel Araújo, aos 10 minutos, Nenê fez o segundo gol, também de fora da área, e aos 36, no pênalti de Sanchez em Yago, consolidou sua noite iluminada e a classificação do Fluminense para a próxima fase da Copa do Brasil.

LEVOU A BOLA – Nenê ganhou a bola, lembrança do primeiro jogo em que marcou três gols com a camisa e a braçadeira de capitão, recebendo aplausos presenciais dos companheiros e virtuais dos torcedores, pelo seu melhor desempenho em 52 jogos, em sete meses no clube. Anderson Luiz de Carvalho, o Nenê, canceriano de 39 anos, iniciou a carreira em 1999, no Paulista,  de  Jundiaí  Terra da Uva , sexto maior município do estado, a 57 km de São Paulo, onde nasceu em 19 de julho de 1981.

FLUMINENSE – Muriel, Lucas Calegari, Nino, Lucas Claro e Egídio; Yuri (Yago), Didi e Michel Araújo (Wellington Silva); Nenê, Evanilson (Fred) e Marcos Paulo (Ganso). Técnico – Odair Hellmann. O Fluminense receberá R$2 milhões pela classificação e aguardará o sorteio para saber com quem jogará na próxima fase da Copa do Brasil. Sábado (29), o time volta ao Maracanã para o jogo com o vice-líder Vasco, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro, em que ocupa a sétima posição.

TRÊS CARTÕES – Felipe Fernandes de Lima, de 33 anos, árbitro da Federação Mineira, teve boa atuação e só aplicou três cartões amarelos: no meia Marquinho, do Figueirense, por falta em Nenê, aos 17, e em Michel Araújo, do Fluminense, por falta no meia Geovane, aos 7 do segundo tempo. O terceiro cartão, aos 26, foi para o técnico Márcio Coelho, do Figueirense, por reclamação.

MAIS DOIS – Além do Fluminense, mais dois se classificaram ontem (25) para a próxima fase da Copa do Brasil: a Ponte Preta, com 2 x 0, gols de Zé Roberto e Lazaroni, sobre o Afogados, no estádio Valdemar Araújo, no município pernambucano de Ingazeira, a 386 km da capital Recife, e o América Mineiro, com 1 x 0, gol de Rodolfo, sobre a Ferroviária, de Araraquara, no estádio Independência, em Belo Horizonte.

O VASCO precisa vencer o Goiás, por dois gols, na noite de hoje (26), em Goiânia, porque perdeu (1 x 0) em São Januário. Se vencer por um gol, decide a vaga em pênaltis. O jogo será no estádio da Serrinha, com arbitragem de Ricardo Marques Ribeiro, da Federação Mineira. Já o Botafogo, que venceu (1 x 0) o Paraná Clube, no Rio, só precisa do empate para se classificar. O jogo será no estádio da Vila Capanema, em Curitiba, com arbitragem de Vinícius Furlan, da Federação Paulista.

Foto: UOl, Lance! , Portal R3. Twitter, NetFlu, Explosão Tricolor.