Foto: site tribunadonorte.com.br

O Fluminense inicia a decisão da vaga com o Nacional do Uruguai para as semifinais da Copa Sul-Americana, na noite desta quarta (24), no estádio Nilton Santos, com o ingresso mais barato a 10 reais. O jogo de volta das quartas de final será na próxima quarta (31), no Parque Central ou no estádio Centenário, em Montevidéu, local que o Nacional ainda vai escolher.

DÉCIMO JOGO – Será o décimo jogo da história entre os tricolores do Rio e de Montevidéu, onde o Nacional ganhou o primeiro (4 x 2), em 23 de dezembro de 1944, na abertura de um torneio quadrangular que teve também Peñarol e Liverpool. Cinco anos depois, o Nacional voltou a vencer (3 x 1) o Fluminense, em amistoso em 25 de maio de 1949, também em Montevidéu. A primeira vitória (2 x 1) do Fluminense foi em amistoso em 18 de agosto de 49, com os gols de Didi e Carlyle.

BOA COPA – Em meados dos anos 50, o Fluminense foi convidado do Nacional para participar das duas primeiras edições da Copa Montevidéu. Os dois times fizeram jogos equilibrados: no primeiro, em 13 de fevereiro de 53, ficaram no 0 x 0, e no segundo, em 10 de fevereiro de 54, outro empate (1 x 1), com atuação destacada do famoso trio tricolor da época com Castilho, Píndaro e Pinheiro. Nos dois amistosos seguintes, em 63 e 72, o Nacional venceu 3 x 2 e 2 x 1.

SETE ANOS – Os dois últimos dos nove jogos entre Fluminense e Nacional valeram pela Copa Libertadores. Dia 23 de fevereiro de 2011, 0 x 0 em Montevidéu, e quase três meses depois, dia 6 de maio, Nacional 2 x 0. Depois de sete anos do último confronto, os times voltam a se enfrentar às 19h30m desta quarta (24).

SÉTIMA VEZ – O Fluminense está participando da Copa Sul-Americana pela sétima vez e esta é a terceira vez nas quartas de final, depois de ter conseguido em 2009 sua melhor colocação, o segundo lugar. A primeira vez que o Fluminense entrou na Sul-Americana, com mais 34 equipes, foi em 2003, pelo sétimo lugar no Campeonato Brasileiro de 2002. 

ÚNICA DERROTA – Depois de 11 vitórias e 5 empates, o Fluminense sofreu a única derrota na Sul-Americana para o Flamengo (1 x 0), em 25 de outubro de 2017. Agora em 2018, o Fluminense se classificou nas oitavas de final com duas vitórias (2 x 0) sobre o Cuenca (Equador). O Nacional eliminou o San Lorenzo (Argentina), com 2 x 0 no segundo jogo, após perder o primeiro (3 x 1).

Foto: site espn.com.br

ARGENTINO – Fluminense x Nacional será apitado por Patrício Loustau, argentino, 43 anos, publicitário em Buenos Aires e árbitro Fifa desde 2011. Atuou na Copa América Centenário, em 2016, nos Estados Unidos. É filho de Juan Carlos Loustau, hoje aos 71 anos, único árbitro argentino na Copa do Mundo de 1990 na Itália.

NACIONAL – O time é dirigido por Alexander Medina, 40 anos, nascido em Salto – a 500 km de Montevidéu -, onde também nasceram os artilheiros Luis Suarez (Barcelona) e Edinson Cavani (PSG), ex-atacante, três vezes campeão uruguaio. O Nacional ganhou 46 vezes o campeonato uruguaio e três vezes – 71, 80 e 88 – a Copa Libertadores.

BOA TROCA – Fluminense e Nacional são muito parceiros, mantendo longa e excelente relação de amizade. Em 1954, após a Copa do Mundo, fizeram boa troca. O Nacional recebeu o notável goleiro Veludo, que não tinha chance nas Laranjeiras por causa de Castilho – o melhor da história do Fluminense -, e mandou o atacante Javier Ambrois, que marcou três gols na vitória histórica (3 x 2) em um Fla-Flu empolgante no Maracanã.

ESCALAÇÕES – O técnico Marcelo Oliveira escalou para a noite desta quarta (24), Julio Cesar, Ibañez, Gum e Digão; Dodi, Richard, Jadson, Sornoza e Airton; Luciano e Oliveira. O técnico Alexander Medina definiu o Nacional: Conde, Fucile, Garcia, Rodrigo e Espino; Zunino, Oliva, Romero e Castro; Barcia e Bergessio.

DIEGO ALVES – O goleiro carioca de 33 anos, 1,88m, em litígio com o Flamengo, estaria nos planos do Fluminense para a campanha de 2019. Entretanto, os dirigentes tricolores ainda não fizeram comentário a respeito.