Após ceder o empate ao Atlético Mineiro nos minutos finais, o Fluminense depende da quase improvável vitória do Avaí, último colocado, para não voltar ao rebaixamento. O 1 x 1 deste sábado (16), no Maracanã, deixou o Fluminense com 35 pontos, igual ao  Cruzeiro, que, se vencer, poderá subir duas posições, ultrapassando Ceará e Botafogo, ambos com 36.

RESULTADO JUSTO – O Fluminense foi superior no primeiro tempo e chegou ao gol logo aos 16 minutos, após muita pressão. Depois da falha do zagueiro Rever, o lateral Patric fez gol contra, após dividir a disputa da bola com o atacante Marcos Paulo. O Fluminense teve mais chances, que não soube converter antes da saída para o intervalo.

REAGIU BEM – O Atlético voltou bem melhor no segundo tempo e de tanto insistir conseguiu o empate aos 44, com o gol do atacante argentino Franco Di Santo, que finalizou no canto. A boa assistência foi de Marquinhos, que aos 47 perdeu o gol da virada, que o Atlético até merecia pelo rendimento superior na fase final do jogo.

40 VEZES 1 x 1 – O empate da noite deste sábado (16), no Maracanã, foi o quadragésimo 1 x 1, de 84 empates em 323 jogos, quarto resultado mais registrado no Brasileirão 2019. Por coincidência, oitavo empate do Fluminense e do Atlético: quarto 1 x 1 do Fluminense, segundo no returno, e segundo 1 x 1 do Atlético, ambos no returno.

FLUMINENSE – Com 35 pontos – 7 vitórias, 8 empates, 16 derrotas e saldo negativo de 11 gols – 33 a 44 -, o Fluminense só não volta ao rebaixamento se o Avaí vencer o Cruzeiro – 35 pontos, 7 vitórias, 14 empates, 11 derrotas, saldo negativo de 10 gols (26 a 36) -, que tem menos duas vitórias (7 a 9) que o Fluminense.

CRUZEIRO – Se ganhar do Avaí, o Cruzeiro somará 38 pontos e poderá até subir duas posições, terminando a rodada em décimo quarto, se o Ceará e o Botafogo, ambos com 36, perderem neste domingo (17), fora de casa, da Chapecoense e do Athletico Paranaense. A situação do Cruzeiro se apresenta um pouco mais confortável que a do Fluminense.

FLUMINENSE – Marcos Felipe, Gilberto, Nino, Digão e Orinho (Igor Julião, 25 do primeiro tempo); Yuri, Allan, Daniel e Ganso (Dodi, 34 do segundo tempo); Yony Gonzalez (Wellington Nem, 32 do segundo tempo) e Marcos Paulo. Técnico – Marcão. O próximo jogo é com o CSA, adversário direto, segunda (25), no estádio Rei Pelé, em Maceió.

ATLÉTICO – Cleiton, Patric (Geuvânio, 23 do segundo tempo), Rever, Igor Rabelo e Fabio Santos; José Welison, Jair (Vinícius, 31 do segundo tempo), Luan e Bruninho (Cazares, 16 do segundo tempo); Marquinhos e Franco Di Santo. Técnico – Vagner Mancini.Décimo segundo com 41 pontos, o Atlético só cai uma posição se o Fortaleza (39) vencer o CSA no último jogo deste domingo (17), na Arena Castelão.

SUSPENSOS – O Fluminense entrou com sete pendurados, mas o zagueiro Digão, único advertido com cartão amarelo, não estava na lista. Já o Atlético, terá que escalar zagueiros reservas no jogo com o Athletico Paranaense, dia 24, em Belo Horizonte, porque Rever e Igor Rabelo receberam o terceiro e estão suspensos. O volante Jair também.

BOA ESTREIA – Sem o goleiro Muriel, que fraturou o dedo e só volta em 2020, o Fluminense promoveu Marcos Felipe, terceiro goleiro, no clube desde julho de 2017, que havia disputado o último jogo em maio de 2018, na derrota (3 x 1) para o Barcelona, do Equador, na Flórida Cup. Capixaba de 23 anos, 1,89m, ele fez boa estreia e não teve culpa no gol.

FLUMINENSE 1 x 1 ATLÉTICO MINEIROteve boa arbitragem do experiente Leandro Vuaden, da Federação Gaúcha. R$478.110,00. 23.168 pagantes, em noite de tempo bom no Maracanã. De camisa preta, do terceiro uniforme, o Atlético antecipou homenagem ao Dia da Consciência Negra, que será comemorado na próxima quarta (20).

Foto: Explosão Tricolor