Desde que a vitória passou a valer três pontos, por decisão da FIFA em 1995, o empate castigou ainda mais os que não sabem fazer gol, como Fluminense e Atlético Mineiro, na noite de ontem (10), no Maracanã. O Fluminense perdeu a chance de garantir a vaga direta na Libertadores, agora dependendo de vitórias nos jogos fora de casa com Ceará e Santos, e em casa, com o Fortaleza. O castigo do Atlético é maior porque vai completar 49 anos sem o título, que só ganhou, uma vez, no longínquo 1971.

O SEGUNDO – Fluminense e Atlético fizeram o vigésimo sétimo 0 x 0 em 347 jogos do Brasileiro de 2020, o segundo de cada um. O Atlético, no turno, com o Sport, no Mineirão, e o Fluminense, no returno, com o Bragantino, no Maracanã. O Fluminense não soube ganhar o quarto jogo consecutivo e se manteve em quinto, com 57 pontos – 16 vitórias, 9 empates, 10 derrotas, saldo de 9 gols (49 a 40) -, e o Atlético em terceiro, com 61 pontos, a quatro do vice-líder Flamengo e a cinco do líder Internacional.

CALA A BOCA – Sem nenhum lance inspirado, que pudesse criar chance de gol, o que mais chamou a atenção no 0 x 0 foi o bate-boca dos veteranos Jorge Sampaoli, técnico de 60 anos, e do meia Nenê, a seis meses dos 40 anos, aos 11 minutos do segundo tempo. O árbitro paulista Luis Flavio Oliveira, de 43 anos, interveio depois que ouviu o jogador mandar o técnico calar a boca, mas sem adverti-lo com cartão. Para não agravar o problema, Nenê foi substituído poucos minutos depois.

SÓ UM CARTÃO – Fluminense e Atlético fizeram jogo tão insosso, que quase ficou faltando até o cartão amarelo, só aplicado no volante Allan, do Atlético, aos 37 do segundo tempo, por falta em Michel Araújo, impedindo a arrancada do atacante uruguaio no contra-ataque. Allan só poderá assistir ao jogo de sábado (13) com o Bahia, no Mineirão.

DEDO NA CAMISA – Um lance raro aos 24 minutos do segundo tempo: em dividida com Eduardo Vargas, o zagueiro Lucas Claro prendeu o dedo indicador esquerdo na camisa do atacante chileno, quase chorou de tanta dor e teve que ser substituído por Frazan. Foi o primeiro jogo após a morte do pai pela Covid-19 e ele usou na camisa o nome de Pedro Barboza, assim mesmo, com z. Lucas Claro, de 29 anos, é paulista de Ribeirão Preto e antes havia jogado no Coritiba.

CAMPANHA – O time do Fluminense entrou com a faixa Ame João Emanuel, depois estendida na arquibancada. O clube está apoiando a campanha pela vida do garoto gaúcho, que tem atrofia muscular, respira por aparelho e precisa receber aplicação de Zolgensma, único medicamento capaz de curar a doença degenerativa, antes que complete dois anos, em 29 de julho. Fred usou na camisa o nome do menino, que é atendido pelo INAME – Instituto Nacional da Atrofia Muscular Espinhal.

SÃO PAULO SEM VITÓRIA, MAS COM NOVO TÉCNICO

O São Paulo manteve o quarto lugar com 59 pontos, no 1 x 1 com o Ceará, na noite de ontem (10), no Morumbi, no primeiro jogo sem o técnico Fernando Diniz, mas ainda não venceu em 2021 em sete jogos. O clube aguarda a chegada do seu novo técnico, Hernan Crespo, argentino de 45 anos, maior artilheiro da história do Parma, e que em janeiro ganhou o primeiro título como técnico, dirigindo o Defensa y Justicia, ao vencer (3 x 0) o Lanús, na final argentina da Copa Sul-Americana de 2021.

MARCOS VIZOLLI, de 55 anos, assistente permanente da comissão técnica, dirigiu o time e pediu silêncio no vestiário, após o jogo, em respeito ao goleiro Tiago Volpi, que falhou no gol do Ceará, aos 47 do segundo tempo, ao tentar sair jogando. Ele perdeu a bola para o atacante Leo Chu, que fez o gol, mas o São Paulo se livrou da derrota aos 52 minutos, com o gol de cabeça do atacante Luciano. Vizolli foi volante de 84 a 89, quando encerrou a carreira com o título de campeão paulista.

EMBORA SÓ com dois pontos a mais que o Fluminense (59 a 57), com quem empata em vitórias (16), o São Paulo tem vantagem no saldo de gols (17 a 9) e menos um jogo, com o Palmeiras, que disputará dia 19, devido à participação do campeão paulista no Mundial de clubes. O Ceará, com o empate, ficou em décimo segundo com 46 pontos, 12 vitórias e saldo de dois gols (49 a 47), garantindo a permanência na Série A em 2021.

Foto: goal