A estreia não foi boa, ainda que a derrota para o Grêmio tenha sido normal, mas o Fluminense pode aproveitar para somar seis pontos importantes nos dois jogos consecutivos no Maracanã, amanhã (12), com o Palmeiras, e domingo (16) com o Internacional. Seriam vitórias que dariam fôlego para os dois jogos seguintes, mais difíceis, como visitante, com o Bragantino, que fez boa estreia no 1 x 1 fora de casa com o Santos, e com o Athletico, que estreou com 2 x 0 no Fortaleza, no Castelão.

COPA DO BRASIL – No meio da maratona do vaivém do Brasileiro, o Fluminense tem a Copa do Brasil, e ao voltar dos jogos com Bragantino e Athletico, o adversário será o Figueirense, dia 25, no Maracanã, só três dias depois do jogo anterior em Curitiba. E a previsão é de mais desgaste, de vez que a derrota (1 x 0), no jogo de ida, em Florianópolis, obrigará o time a vencer por dois gols, para evitar decisão em pênaltis. Quatro dias depois, agosto termina com o clássico, sempre muito dificil, com o Vasco, dia 29.

O DESGASTE – O restante do ano, que só terminará em 2021, será complicado com a sequência de jogos em intervalos curtos e as viagens aumentando ainda mais o desgaste. É forçoso reconhecer que o Fluminense não dispõe de grande elenco, e mais ainda, que falta qualidade obter bons resultados. O próprio presidente do clube admitiu, antes de o Brasileiro começar, que a pretensão se restringe à vaga na Sul-Americana, reservada aos que não ficam abaixo do meio da tabela.

DESEMPATE – O jogo de amanhã (12) vale o desempate no Brasileiro, no Maracanã, onde cada time ganhou 11 dos 28 jogos, com seis empates. O retrospecto é bem favorável ao Palmeiras, que venceu mais 12 jogos que o Fluminense (28 a 16), com 8 empates. Amanhã (12) será o Fluminense x Palmeiras de número 53 no total do campeonato, e o vigésimo nono no Maracanã. Em 2019, o Palmeiras ganhou (3 x 0, gols de Luiz Adriano), dia 10 de setembro, e na volta, em 28 de novembro, o Fluminense venceu (1 x 0).

ARBITRAGEM – Fluminense x Palmeiras será apitado pelo curitibano Rafael Traci, de 38 anos, vinculado à Federação Catarinense e ainda só no quadro nacional da CBF. Suas atuações têm sido seguras e o caminho para receber a insígnia da FIFA já esteve mais distante. Traci é homem de negócios na capital do Paraná e na última sexta (7) participou de mais uma boa ação do Clube de Pais, ajudando na arrecadação em benefício dos infectados pela Covid-19 em Curitiba.

Foto: Twitter Flumiense