Com a derrota da noite deste sábado (10) para o Atlético Mineiro (2 x 1), em Belo Horizonte, o Fluminense, com 12 pontos, voltará a ser o primeiro do rebaixamento, se o Cruzeiro, com 10, vencer o Avaí – único que ainda não ganhou -, na tarde deste domingo (11), em Florianópolis. Foi a oitava derrota, quinta como visitante, em catorze rodadas. R$352.497,00. 19.081 pagantes, no Estádio Independência, em noite de tempo bom.

NADA OBJETIVO – O Fluminense se salvou pelo primeiro tempo, com mais posse de bola, mas sem finalizar com perigo. O Atlético aos poucos subiu de rendimento e conseguiu sair para o intervalo em vantagem, com o gol do meia equatoriano Juan Cazares, aos 42, depois que o zagueiro Digão rebateu cruzamento do lateral Patric.

O FLUMINENSE voltou para o segundo tempo com Nenê no lugar de Marcos Paulo, e João Pedro no lugar de Pedro, que sentiu a face posterior da coxa direita no fim do primiro tempo. Foram mudanças que não ajudaram o time a melhorar, assim como a entrada de Wellington Nem, aos 29, no lugar do meia Daniel. O Atlético seguiu melhor no jogo.

15 JOGOS DEPOIS, o atacante Ricardo Oliveira voltou a fazer gol. Um erro de passe de Nenê, logo aos seis minutos, deu chance a Elias de uma boa assistência. Ricardo Oliveira soube aproveitar e fez 2 x 0, comemorando com todos os companheiros em campo e até com os reservas. E deu um abraço demorado no técnico Rodrigo Santana ao ser substituído.

GOL E EXPULSÃO – Com os acréscimos de seis minutos, o Fluminense conseguiu o gol, que Nenê marcou após cruzamento de João Pedro. Um minuto depois, aos 48, levou cartão amarelo por reclamação, voltou a reclamar e foi expulso aos 50, em decisão acertada do árbitro Wilton Sampaio, da Federação Goiana e da FIFA.

SILÊNCIO E LUTO – Foi respeitado um minuto de silêncio e o Fluminense usou tarja preta de luto pela morte do ex-lateral Altair, quarto jogador que mais vestiu a camisa do clube, em 542 jogos, depois do goleiro Castilho (697), do zagueiro Pinheiro (602) e do atacante Telê (560). 

ATLÉTICO – Cleiton, Patric, Igor Rabello, Rever e Fabio Santos; Ramon Martinez, Elias, Vinícius e Juan Cazares (Geuvânio, 15 do segundo tempo); Chará (Otero, 29 do segundo tempo) e Ricardo Oliveira (Alerrandro, 37 do segundo tempo). Com a oitava vitória, quinta em casa, o Atlético soma 27 pontos e vai terminar a rodada mantendo o quarto lugar. O próximo jogo é sábado (17), em Curitiba, com o Atlético Paranaense.

FLUMINENSE – Muriel, Igor Julião, Digão, Nino e Caio Henrique; Allan, Daniel (Wellington Nem, 29 do segundo tempo) e Ganso; Marcos Paulo (Nenê, intervalo), Pedro (João Pedro, intervalo) e Yony Gonzalez. Técnico – Fernando Diniz. O próximo jogo é domingo (18), no Maracanã, com o CSA. O Fluminense tem 12 pontos – 3 vitórias, 3 empates, 8 derrotas – e o saldo negativo de gols passou a ser de cinco (19 a 24).

TRÊS CARTÕES – O meia Wellington Nem, que entrou aos 29 do segundo tempo, era o único do Fluminense com cartão amarelo, até o meia Nenê insistir em reclamar, levar o amarelo e em seguida o cartão vermelho. Quatro do Atlético – PatricViníciusGeuvânio e Otero – também levaram cartão amarelo.

SÓ MANDANTES – A décima quarta rodada do Brasileirão 2019 registrou 17 gols nos quatro jogos – Ceará 4 x 1 Chapecoense, São Paulo 3 x 2 Santos, Flamengo 3 x 1 Grêmio e Atlético Mineiro 2 x 1 Fluminense -, só com vitórias dos que jogaram em casa. Mandantes – 72 vitórias, visitantes 27 e empates 34 em 133 jogos com 317 gols, média de 2.38 gols por jogo.

Foto: UOL Esporte