Depois de perder por 1 x 0 para Grêmio e Palmeiras no Campeonato Brasileiro, o Fluminense sofreu na noite de ontem (27) a terceira derrota consecutiva por 2 x 1 para o Criciúma, no estádio Heriberto Hulse, em Criciúma, município do Sul do estado de Santa Catarina, a 190 km da capital Florianópolis, no jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil. O Criciúma é o terceiro do Grupo B entre as 20 equipes do Campeonato Brasileiro da Série C.

DOIS GOLS OU PÊNALTIS – A vaga para as quartas de final será decidida sábado (31), no Maracanã. O Criciúma joga pelo empate e o Fluminense por vitória por um gol para decidir nos pênaltis ou por dois ou mais gols para se classificar. O gol fora de casa não vale para desempate. Cada time ganhou uma vez a Copa do Brasil, o Criciúma em 1991, dirigido por Luiz Felipe Scolari, e o Fluminense em 2007, com o gol do título do então lateral Roger Machado, seu atual treinador.

EXIBIÇÃO MUITO RUIM – Com desempenho muito ruim, principalmente no primeiro tempo, em que só deu um chute na direção do gol, o de Fred, o Fluminense sofreu o primeiro gol aos 39 minutos, depois de erros de Martinelli e Nenê, aproveitados pelo atacante Hygor, que desviou o chute do volante Eduardo de fora da área. Na volta do intervalo, o Fluminense sofreu o segundo gol aos 21 minutos: o meia Felipe Matheus converteu o pênalti de Egídio no meia Dudu.

OUTRO PÊNALTI – Ainda que tenha melhorado um pouco no segundo tempo, o Fluminense não produziu o suficiente sequer para empatar, e depois de dois jogos sem fazer gol, só voltou a marcar de pênalti, aos 26 minutos. Abel Hernandez converteu a cobrança de um pênalti discutível do lateral Helder, com um leve toque nas costas do zagueiro Lucas Claro, na pequena área. Foi o quarto gol de pênalti dos sete gols do atacante uruguaio em 21 jogos.

VANTAGEM EM DOBRO – Foi o décimo primeiro Criciúma x Fluminense no estádio Heriberto Hulse, com a sexta vitória do time catarinense, o dobro das vitórias do Fluminense, e dois empates. O técnico Roger Machado tentou melhorar a equipe com três trocas simultâneas aos 23 do segundo tempo, tirando Nenê, Fred e Luis Henrique, e colocando Ganso, Abel Hernandez e Matheus Martins, mas as substituições não surtiram efeito e o time jogou mal até o fim.

FRED PERDE CHANCE – O artilheiro do Fluminense fez 34 gols na Copa do Brasil e perdeu a chance de se igualar a Romário, recordista com 35. Fred terá outra chance sábado (31), no jogo de volta com o Criciúma, antecipado pelo Fluminense, que terá outra decisão terça (3), a da vaga para as quartas de final da Libertadores. A situação é mais cômoda porque com os 2 x 0 no Cerro, no Paraguai, o Fluminense pode perder até por um gol no Maracanã.

RECORDE DO VAR – No outro jogo da noite de ontem (27), no estádio Barradão, em Salvador, o Grêmio praticamente garantiu a vaga nas quartas de final da Copa do Brasil, ao vencer (3 x 0) o Vitória, o que lhe dá o direito de perder até por dois gols na próxima terça (3), na Arena Grêmio. Desde que foi implantado no Brasil, em 2017, o VAR bateu o recorde de oito minutos para revisar e confirmar um gol, o do atacante Ricardinho, que não marcava há 13 jogos.

OS OUTROS GOLS – O árbitro Flavio Rodrigues de Souza, da Federação Paulista, ficou oito minutos aguardando a confirmação da revisão do VAR, monitorado por Marcio Gois, também da Federação Paulista, para validar o gol de Ricardinho, o que deixou os jogadores de ambos os times impacientes e irritados. O zagueiro Leo Pereira e o lateral Diogo Barbosa fizeram os outros gols. O Grêmio é penúltimo da Série A com uma vitória em 11 jogos; o Vitória é décimo quinto da Série B com duas vitórias em 14 jogos.

Foto: CBF