Atento à eleição de amanhã (8), que movimentará o sábado na sede das Laranjeiras, o tricolor Jacques Mordoh, que nesta sexta (7) comemora o aniversário de 53 anos, considera que o Fluminense precisa passar a ser mais popular, a fim de recuperar a confiança do torcedor e tê-lo de volta aos estádios: “Durante muito tempo, a imagem de clube de elite impediu que o clube ganhasse mais torcedores. É preciso que essa confiança seja recuperada para fazê-lo voltar a ser mais popular” – diz Jacques.

TERMÔMETRO – Bem-sucedido em sua loja Só Torcedor – Apaixonados por futebol, na área nobre do Leblon desde 2008, Jacques Mordoh também ressalta, já com visão empresarial, que o clube deveria exigir do fabricante de material esportivo que a camisa fosse desenhada de acordo com o valor histórico que ultrapassa os cem anos da marca Fluminense F.C. “Digo isso porque é cada vez maior o interesse pela camisa do clube, ainda que o time não atravesse boa fase” – resume Jacques.

OS CANDIDATOS – Ex-aliados, Ricardo Tenório e Mario Bitencourt disputam a presidência do Fluminense. O vencedor da eleição de amanhã (8) será empossado segunda-feira (10), depois que a maioria dos sócios decidiu antecipar a saída do presidente Pedro Abad, cuja administração, segundo dizem, foi desastrosa. Tenório, de 58 anos, é diretor de incoporadora e candidato da chapa Libertadores. Bitencourt, de 40 anos, advogado, é da chapa Tantas vezes campeão.

O TRICOLOR Jacques Mordoh, na expectativa do resultado, diz que “quem precisa ganhar é o Fluminense, com o eleito devolvendo a confiança aos sócios e aos torcedores”. Segundo ele, como na época da Máquina, em que Rivellino – que o levou a ser torcedor, aos 10 anos de idade,  fez renascer a paixão tricolor.