Com os 2 x 0 da noite desta quarta (4) sobre o Botafogo, da Paraíba, no Maracanã, o Fluminense disputará a terceira fase da Copa do Brasil com o Figueirense, de Santa Catarina. Os times voltarão a se enfrentar em uma final depois de treze anos, quando decidiram em 6 de junho de 2007 e o Fluminense ganhou (1 x 0) no estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis, após 1 x 1 no jogo de ida no Rio. Foi o primeiro título do técnico Renato Portaluppi. Locais, dias e horários de Fluminense x Figueirense serão anunciados nesta quinta (5).

UM POUCO MELHOR – O Fluminense mereceu vencer por ter voltado melhor para o segundo tempo, após sair vaiado no intervalo (0 x 0). Três dias depois de completar 19 anos, Marcos Paulo fez o primeiro gol aos sete minutos, aproveitando o cruzamento rasteiro do lateral Gilberto. O segundo gol, aos 27, foi de Nenê, deslocando o goleiro Samuel, na cobrança do pênalti do atacante Lohan, que puxou Gilberto pela camisa depois do escanteio.

MAL ANULADO – Embora o jogo estivesse definido, o Fluminense poderia ter saído com 3 x 0, mas o árbitro Jefferson Moraes, da Federação Goiana, anulou mal o gol de Evanilson. O lateral Mario e o zagueiro Luis Gustavo davam condição de jogo ao atacante. Nenê, artilheiro do time, chegou a 11 gols – 8 marcados em 2020 – em 37 jogos, e saiu muito aplaudido, ao ser substituído por Ganso aos 38 do segundo tempo. Locais, dias e horários de Fluminense x Figueirense serão anunciados nesta quinta (5) pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

JOGO DE DESPEDIDA – Léo Moura, niteroiense de 41 anos, que vai encerrar a carreira no Botafogo, da Paraiba, teve atuação discreta na derrota para o Fluminense e  só voltará ao Maracanã para o jogo de despedida em dezembro. Quatro vezes melhor lateral-direito do Campeonato Brasileiro, Léo Moura fez 47 gols em 519 jogos e foi cinco vezes campeão carioca pelo Flamengo, de 2005 a 2015. Ele jogou nos quatro grandes do Rio.

ÚNICO CARTÃO – Em jogo de nível disciplinar elevado, as faltas foram normais e o árbitro goiano Jefferson Moraes advertiu Fred, Wellington e Lohan, do Botafogo. O único cartão amarelo do Fluminense foi para Nenê, aos 18 do segundo tempo, pelo carrinho duro no zagueiro Luis Gustavo. R$341.340,00. 11.560 pagantes, com chuva em boa parte do segundo tempo no Maracanã. Dias e horários de Fluminense x Figueirense serão definidos nesta quinta (5).

BOM LEMBRAR – Para que os tricolores mais antigos revivam e os mais novos conheçam, o Figueirense perdeu a invencibilidade em 2007, na derrota (1 x 0) para o Fluminense, na noite da quarta, 6 de junho, no estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis. O gol que decidiu a Copa do Brasil foi do lateral gaúcho Roger, canhoto, que fez o gol de pé direito aos três minutos do segundo tempo. Ele já havia ganho a Copa do Brasil em 94, 97 e 2001 com o Grêmio. Roger Machado é técnico do Bahia desde 2019.

ENTRE OS BONS DO FLUMINENSE, campeão da Copa do Brasil de 2007, o zagueiro Tiago Silva, que foi para o Milan, e o meia Tiago Neves, que depois brilhou no Cruzeiro. Com a conquista, o Fluminense voltou a participar, depois de 23 anos, da Copa Libertadores. Renato Portaluppi ganhou o primeiro título como técnico, e o ex-ponta Mario Sergio dirigia o Figueirense, e voltou a ser comentarista, quando morreu no desastre aéreo da Chapecoense.

CRUZEIRO AVANÇA NOS PÊNALTIS

O Cruzeiro, recordista de títulos da Copa do Brasil, classificou-se para a terceira fase ao vencer o Boa Esporte (5 x 4, na quarta série de cobranças de pênaltis), depois de 1 x 1 nos 90 minutos, na noite de ontem (4), no Estádio Municipal de Varginha, no Sul de Minas, a 316 km da capital Belo Horizonte. João Lucas fez o gol do Cruzeiro aos 37 e Claudeci empatou aos 14 do segundo tempo.

SEMPRE FABIO – Recordista de jogos com a camisa do Cruzeiro, que defende desde 2005, o goleiro Fabio, mato-grossense de 39 anos, 1,88m, voltou a sobressair na noite em que completou 881 jogos. Converteram os cinco pênaltis do Cruzeiro: Edilson, Machado, Everton Felipe, Léo e Maurício. O próximo adversário, na terceira fase da Copa do Brasil, será o CRB, de Maceió. Sábado (7), o superclássico mineiro Cruzeiro x Atlético.

Foto: Lucas Merçon/Fluminense)