O Fluminense venceu o Bragantino por 2 x 0, ao se enfrentarem pela primeira vez na Copa do Brasil, na noite de ontem (2), quando estrearam na terceira fase, o que deu ao Fluminense a vantagem de poder perder por um gol na próxima quarta (9), em Bragança Paulista, para garantir a vaga nas oitavas de final. O jogo foi melhor no segundo tempo, com o Fluminense fazendo os dois gols em nove minutos: Fred aos 16, e Abel Hernandez, que o substituiu, aos 25.

A VOLTA DO ARTILHEIRO – Depois de se tornar o terceiro maior artilheiro brasileiro da Libertadores, empatado com o ex-vascaíno Celio, que fez 22 gols pelo Nacional do Uruguai, Fred voltou ao seu melhor estilo na noite de ontem (2), após não ter disputado o 0 x 0 da estreia no Brasileiro 2021 com o São Paulo, na noite do último sábado (29), no Morumbi. O gol no Bragantino foi o trigésimo quinto de Fred na Copa do Brasil, e com mais dois, ele se torna o maior artilheiro.

A DIFERENÇA – Romário ainda é o maior artilheiro da história de 32 anos da Copa do Brasil, iniciada em 19 de julho de 1989, com 36 gols, mas não foi campeão. Fred, que pode ultrapassá-lo se fizer mais dois gols, foi campeão e artilheiro da Copa do Brasil em 2018, decidindo com o Corinthians, quando o Cruzeiro ganhou o sexto título, tornando-se recordista, com 1 x 0 no Mineirão e 2 x 1 na Arena Corinthians. Fred foi peça importante do esquema do técnico Mano Menezes.

A DIFERENÇA (2) – Fred, artilheiro do Mineiro 2005-17-19; do Carioca 2011 e campeão 2012; maior goleador do Brasileiro dos pontos corridos, desde 2003, e recordista de gols (15) de uma temporada da Copa do Brasil (2005). Romario, sete vezes artilheiro do Carioca; 332 jogos, 258 gols pelo Vasco, bi Carioca 87-88 e Brasileiro 2000, e artilheiro do Flamengo – 240 jogos, 204 gols -, campeão carioca 96/99. Fred, aos 37, terá que esperar dois anos para igualar um recorde especial de Romário, artilheiro mais velho do Brasileiro, aos 39 anos, com 22 gols em 2005.

TABU QUEBRADO – Fluminense 2 x 0 Bragantino, na noite de ontem (2), foi o jogo de número 11 entre os times, desde o 1 x 1 de 30 de setembro de 1990, e o Fluminense venceu pela primeira vez no Maracanã. O Fluminense só havia ganhado duas vezes do Bragantino, pelo Brasileiro, mas nas Laranjeiras: 3 x 0 em 1992 e 1 x 0 em 1996. Se vencer na próxima quarta (9), em Bragança Paulista, o retrospecto de 4 vitórias do Bragantino, 3 do Fluminense e 4 empates ficará igual. 

MARCOS FELIPE, Samuel Xavier, Manoel, Lucas Claro e Egídio; Martinelli, Yago (Wellington) e Nenê (Ganso); Caio Paulista (Luis Henrique), Fred (Abel Hernandez) e Gabriel Teixeira (Kayky) – o Fluminense, do técnico Roger Machado, que na sequência da matéria vai entrar nas historinhas. Fred estreará no Brasileiro 2021, no segundo jogo do Fluminense, domingo (6), no Maracanã, com o Cuiabá, primeiro a demitir técnico, após 2 x 2 na estreia, em casa, com o Juventude.

DOMINGO ESPECIAL – Roger Machado, técnico do Fluminense, entra no túnel do tempo. Domingo faz 14 anos que ele marcou, aos três minutos do primeiro tempo, o gol da única Copa do Brasil que o Fluminense ganhou. Foi na noite da quarta, 6 de junho de 2007, com 1 x 0 no Figueirense, no estádio Heriberto Hulse, em Florianópolis, depois de 1 x 1 no Maracanã. Reserva no primeiro jogo, o lateral-esquerdo Roger Machado foi escalado na zaga, ao lado de Thiago Silva, por Renato Gaúcho, campeão pela primeira vez como técnico. O titular era Luis Alberto, que se contundiu.

RECORDISTA – Roger Machado, lateral quatro vezes campeão gaúcho no Grêmio; da Libertadores 95 e do Brasileiro 96, foi tri da Copa do Brasil, e ganhou a quarta no Fluminense. É igualado por Zinho, campeão do mundo em 94, e quatro vezes campeão da Copa do Brasil: Flamengo (90), Palmeiras (98), Grêmio (2001) e Cruzeiro (2003). Roger parou de jogar em 2005, dedicou-se aos estudos no curso de técnico e estreou em 2014 no Juventude. Foi campeão mineiro em 2017 no Atlético e bicampeão baiano 2019-20 no Bahia, e treinou também Grêmio e Palmeiras. O Fluminense é seu sétimo clube.

Foto: UOL