Pôr em xeque significa expor a perigo. É exatamente assim que a matemática do clássico de amanhã (29), no Maracanã, coloca, frente a frente, Fluminense e Vasco, com o Botafogo aparecendo como fiel da balança. Vice-líder com 10 pontos, o Vasco precisa ganhar, não só para se manter invicto, mas para voltar à liderança, contando com a vitória do Botafogo, que também preservaria a invencibilidade e poderia subir algumas posições, derrotando o Internacional, só dois pontos à frente do Vasco.

EQUILÍBRIO – O Internacional ganhou quatro jogos, tem 12 pontos, sofreu uma derrota e ainda não empatou. O Vasco venceu três jogos, tem 10 pontos, empatou um jogo, ainda não perdeu e menos o jogo da primeira rodada, porque o Palmeiras estava nas finais paulistas. Internacional e Vasco, iguais em saldo de gols (6), com o Internacional marcando mais um gol (8 a 7), mas o Vasco sofrendo menos um gol (1 x 2). Os números dão realce ao equilíbrio entre líder e vice-líder nesse início de campeonato.

NOVO LÍDER – No sobe e desce constante, a sexta rodada poderá terminar com novo líder. Bom dizer: ao conseguir pela primeira vez duas vitórias consecutivas, sem sofrer gol, o São Paulo subiu dez posições e está em terceiro, igual em pontos (10) ao vice-lider Vasco e a dois pontos do líder Internacional. Com certeza, entrará ainda mais motivado no clássico de domingo (30) com o Corinthians, modesto décimo segundo, com 5 pontos, e em começo irregular, como se viu no 1 x 1, em casa, com o Fortaleza.

SUBIU BEM – Depois do São Paulo, o Fluminense foi o que mais subiu, com a primeira vitória fora de casa, saindo de décimo quarto para sétimo, com 7 pontos, e joga amanhã (29) ainda mais motivado, após avançar na Copa do Brasil. É verdade que, quando muito, se vencer o Vasco, pode até entrar no G4, algo que parecia (quase) impossível. Sobre os clássicos, só gostaria de entender o critério da escala de árbitro catarinense em clássico carioca e árbitro paulista em clássico paulista.

REAÇÃO JÁ – O início do Flamengo causa muita estranheza, sobretudo porque os jogadores são os mesmos que na temporada anterior ganharam quase tudo, daí não ser aceitável tão acentuada queda de rendimento, com apresentações ruins, bem abaixo do nível elevado do grupo. O time de uma única vitória, sobre o lanterna; o time de duas derrotas sem fazer gol; de dois empates em casa, e saldo negativo de três gols em cinco rodadas, não é o mesmo time. Por que terá mudado tanto para pior? 

Imagem: Twitter