O Atlético Paranaense ganhou a primeira semifinal da noite de ontem (4), devolvendo ao Grêmio os 2 x 0 do jogo de ida em Porto Alegre e vencendo (5 x 4) nos pênaltis, com a defesa do goleiro Santos, na última cobrança, do atacante Pepê. Nikão, aos 17 do primeiro tempo, e Marco Ruben, aos 4 minutos, fizeram os gols na Arena da Baixada.

DUVIDOSO – O Grêmio tentou confirmar a classificação, atacando desde que deu a saída, e logo aos três minutos houve um lance duvidoso. O árbitro interpretou como bola na mão do volante Wellington e não confirmou o pênalti, após consultar o árbitro de video, tão reclamado pelos jogadores do Grêmio. 

NIKÃO 1 x 0 – Só aos poucos o Atlético Paranaense passou a criar mais e não demorou em abrir o placar, aos 17 minutos, com o gol de Nikão, que aproveitou bem a volta da bola no chute do apoiador carioca Bruno Guimarães no travessão. Mais tranquilo, o Furacão saiu otimista para o intervalo, ao conseguir 50% do objetivo de vencer pelo menos por dois gols.

MARCO RUBEN 2 x 0 – Depois de doze jogos, o atacante argentino voltou a marcar e com seu gol, logo aos quatro minutos do segundo tempo, o Atlético Paranaense conseguiu levar a decisão da vaga aos pênaltis. Marco Ruben foi rápido, ao se antecipar ao zagueiro Geromel, para aproveitar o cruzamento de Rony com um leve desvio da bola para as redes.

HABILIDOSOS – A decisão da vaga em cobranças de pênaltis chegou ao limite da série, com batedores muito habilidosos. O primeiro a converter foi Bruno Guimarães e os outros quatro do Atlético Paranaense também aproveitaram: Lucho Gonzalez, Nikão, Marcelo Cirino e Marco Ruben, que o Grêmio algumas vezes tentou contratar.

O PARAIBANO – Os três primeiros batedores do Grêmio – Rafael Galhardo, David Braz e Alisson – foram precisos, mas o paraibano Santos, goleiro do Atlético Paranaense, garantiu a classificação ao defender a última cobrança, de Pepê. O Furacão volta à final da Copa do Brasil, após perder a única decisão de que havia participado, em 2013, com o Flamengo: 1 x 1 em Curitiba e 2 x 0 no Maracanã.

ELE PELO ERRE –Santos nasceu em Campina Grande, maior cidade da Paraíba, em 17 de março de 90, e o pai, mesmo diante da estranheza do atendente do cartório, pediu que fosse registrado Aderbar – e não Aderbal – dos SantosNeto, porque a troca do ele pelo erre, vinha desde o registro do avô. Santos começou na base do Porto, de Caruaru – 2006-2008 – e terminou a formação no Atlético Paranaense até 2010. Na noite de ontem (4),  completou 139 jogos como profissional de um dos clubes mais organizados do Brasil.

OS FINALISTAS – Santos, Khellven, Robson, Lucas Halter e Marcio Azevedo; Wellington (Marcelo Cirino), Bruno Guimarães e Leo Cittadini (Lucho Gonzalez); Nikão, Rony (Vitinho) e Marco Ruben. Técnico – Tiago Nunes. O Atlético Paranaense decidirá a Copa do Brasil com o Internacional nas duas próximas quartas – 11 e 18 – e o sorteio do local do primeiro jogo será na tarde desta quinta (5).

GRÊMIO – Paulo Victor, Leonardo (Rafael Galhardo), Geromel, Kannemann e Cortez; Mateus Henrique, Rômulo, Alisson e Jean Pyerre (Thaciano); André (David Braz) e Pepê. Técnico – Renato Portaluppi. O campeão gaúcho agora vira o foco para as semifinais da Libertadores com o Flamengo, em outubro, dia 2 na Arena Grêmio e dia 23 no Maracanã.

EXPULSÃO – O Grêmio terminou com 10 porque o zagueiro argentino Kannemann foi bem expulso aos 15 do segundo tempo. Além de duro, o carrinho dele no meia Leo Cittadini, que arrancava rápido em contra-ataque, foi maldoso. Wagner Magalhães, único FIFA da Federação do Rio, advertiu cinco com cartão amarelo: Rômulo, do Grêmio, e Lucas Halter, Marcelo Cirino, Bruno Guimarães e Marco Ruben. R$1.370.315,00. 28.841 pagantes.

Foto: Super Esportes