Criticado pela maneira de combater a epidemia do coronavírus no país, o primeiro ministro Janez Jansa, de 61 anos, da República da Eslovênia, no leste europeu, reagiu enfurecido à crítica de Aleksander Ceferin, de 55 anos, presidente da União Europeia de Futebol, que o acusou, em matéria publicada em jornais de Liubliana, a capital. Jansa disse: “Continuar jogando, foi uma decisão irrresponsável e criminosa, uma autêntica bomba relógio”.

JOGO DO PROBLEMA – A entrevista do primeiro ministro foi exibida pela televisão estatal eslovena, no meio da tarde de ontem (11), causando impacto, sobretudo pela cara fechada e o tom raivoso em sua fala. Ele se referiu ao jogo em que o Atalanta 4 x 1 Valencia, da noite de 19 de fevereiro, pelas oitavas de final da Champions League, no estádio de San Siro, em Milão: “Foi o jogo do problema, que alastrou o contágio na Lombardia, espalhando a epidemia”.

150 MIL MORTES – O primeiro ministro Janez Jansa mostrou-se revoltado diante das câmeras, aumentando o tom de voz para rebater as críticas do presidente Aleksander Ceferin, da União Europeia de Futebol (UEFA): “Volto a dizer que Ceferin adotou uma decisão irresponsável e criminosa, uma autêntica bomba biológica, quando deveria ter suspendido os jogos de futebol, antes que o problema se alastrasse no mundo inteiro“.A Itália registra quase 150 mil mortes, de acordo com as últimas informações da noite de ontem (11).

MAIS TEMPO – A Eslovênia, pequeno país do leste europeu, faz limite com a Áustria, Hungria, Croácia e Itália. O primeiro ministro Janez Jansa antes foi presidente do Conselho Europeu, substituindo José Sócrates, de 61 anos, ex-primeiro ministro de Portugal (2005-2011), e sendo substituído por Nicolás Sarkozi, de 65 anos, ex-presidente da França (2007-2012). Bom dizer: o primeiro ministro Giuseppe Conte, da Itália, admite estender a proibição de todos os eventos esportivos até 3 de maio.

imagem: site cassiozirpoli.com.br