O PRESIDENTE DA CONFEDERAÇÃO SUL-AMERICANA, Alejandro Dominguez, advogado paraguaio de 50 anos, decidiu cobrar caro pelo racismo no futebol, fazendo doer no bolso dos infratores. Na primeira 3ª feira (5) de julho, além de pagar multa de 100 mil dólares (R$525 mil), o Boca Juniors terá que exibir a faixa “Basta de Racismo”, enquanto o time estiver perfilado no gramado para o jogo com o Corinthians.

A PUNIÇÃO TAMBÉM SE ESTENDE AO TELÃO DO ESTÁDIO, onde o Boca terá que exibir a mesma frase, duas horas antes e até o final do jogo de volta do mata-mata das oitavas de final da Copa Libertadores da América, na noite da 3ª feira, 5 de julho. A Confederação Sul-Americana também comunicou ao Boca que, em caso de reincidência, o estádio da Bombonera será parcialmente ou até mesmo totalmente fechado.

OS TORCEDORES DOS JOGOS DAS COPAS Libertadores e Sul-Americana passaram a ser filmados por uma equipe de cinegrafistas da Confederação Sul-Americana de Futebol. Por isso, o Boca Juniors já havia sido condenado a pagar (e pagou) 30 mil dólares (R$525 mil), pelo torcedor detido na Arena Corinthians, imitando macaco, na noite de 17 de maio de 2022, no jogo da fase de grupos da Libertadores.

A DECISÃO DA CONFEDERAÇÃO SUL-AMERICANA DE FUTEBOL deveria ser bom exemplo para a Confederação Brasileira de Futebol. É preciso cumprir a lei em todos os escalões, diferente do que acontece no Brasil, onde os bandidos, que têm impunidade (que deve dar direito a roubar), não ficam mais de 24 horas na cadeia. Pode até demorar, mas isso um dia terá que mudar nesse país do jeitinho e dos habeas-corpus.

TNT-Sports