O Botafogo terá o apoio da garra argentina para sair do rebaixamento, no confronto direto com o Bragantino, no jogo da noite de hoje (16), no estádio Nilton Santos, finalizando a rodada 21 do Campeonato Brasileiro. Os dois times estão iguais em pontos (20) e no saldo negativo de 4 gols, mas o Bragantino é antepenúltimo por ter mais uma vitória (4 a 3), o que coloca o Botafogo, com menos um jogo, em penúltimo, oito pontos a mais que o Goiás, último colocado com 12.

O BOTAFOGO será dirigido pelo ex-meia Emiliano Diaz, de 38 anos, nascido no Sul da Itália, quando o pai Ramon Diaz era atacante do Napoli, primeiro dos quatro times em que brilhou no Campeonato Italiano, em 82-83. Enquanto o pai se recupera de cirurgia, o filho, seu assistente desde 2012 no River, orientou o treino final para o jogo desta segunda (16), exaltando os jogadores a que se empenhem com a raça do futebol argentino, em que os times nunca admitem, até o apito final, que o jogo esteja perdido.

EMILIANO DIAZ pouco jogou no River, reconhecendo que seu nível técnico estava abaixo do time dirigido pelo pai, e passou a seu assistente em 2012. Em dois anos de trabalho, comemoraram o título argentino de 2014, três anos após o rebaixamento. Ramon Diaz divide com Marcelo Gallardo, meia que comandou na campanha vitoriosa de 1996 da Libertadores, hoje técnico do time, as conquistas raçudas como técnicos do River. É a garra argentina que Emiliano quer que o Botafogo passe a mostrar.

NOVIDADE – O assistente técnico Emiliano Diaz decidiu escalar o Botafogo bem ofensivo, no primeiro jogo em que vai dirigir o time, com três atacantes: Bruno Nazario, Mateus Babi e Eber Bessa, que iniciará pela primeira vez, depois de ter entrado no decorrer dos jogos com Bahia e Goiás. Mineiro de Belo Horizonte, 28 anos, 1,70m, Eber Bessa saiu do Cruzeiro para Portugal em 2014 e jogou quatro anos no Marítimo, da Ilha da Madeira. Suas duas últimas temporadas foram no Vitória de Setúbal.

DE VOLTA – O Botafogo também terá a volta do goleiro Cavalieri, recuperado da Covid-19, e uma novidade no banco, o lateral Marcinho, ausente desde os 2 x 2 com o Ceará, na última rodada do Brasileiro de 2019. Ele se recuperou bem de problemas no joelho, tem treinado com desenvoltura, foi reintegrado ao elenco, e deve entrar, de acordo com o decorrer do jogo. Time: Cavalieri, Kevin, Benevenuto, Kanu e Victor Luis; Wellington, Caio Alexandre e Honda; Nazario, Mateus Babi e Eber Bessa.

PENÚLTIMO com 20 pontos em 19 jogos – 3 vitórias, 11 empates, 5 derrotas e saldo negativo de 4 gols (19 a 23), o Botafogo precisa ganhar o confronto direto com o Bragantino, décimo oitavo com 20 pontos em 20 jogos – 4 vitórias, 8 empates, 8 derrotas e também com saldo negativo de 4 gols (23 a 27). Das 20 equipes, 11 estão com saldo negativo de gol, sendo a pior a do Goiás (13), também entre as que mais perderam (11), e mais três com 10 derrotas: Sport, Athletico Paranaense e Coritiba.

PUNIÇÃO –  Estar entre os quatro últimos é uma punição dura, mas justa ao Botafogo, por ser o time com menos vitórias (3, em 19 jogos) e o que mais empatou (11), de vez que sofreu só 5 derrotas, tantas quanto o vice-líder Internacional e o Flamengo, quarto colocado, que também perderam 5 dos 21 jogos. Bom dizer e ressaltar: apesar de penúltimo, o Botafogo perdeu menos que o líder Atlético Mineiro, que sofreu 6 derrotas em 20 jogos.

CORITIBA x BAHIA – O Coritiba não terá nove titulares nem o técnico Rodrigo Santana, que contraíram a Covid-19, no jogo da noite de hoje (16) com o Bahia, que se vencer somará 28 pontos, mas não sairá do nono lugar. Se ganhar, o Coritiba terá 23 pontos, deixará de ser um dos quatro últimos, e recolocará o arquirrival Athletico, com 22, no rebaixamento. O Vasco, também com 22 pontos, escapa da queda, porque no saldo negativo de gol, tem menos 1 que o Athletico (4 a 5).

Foto: Sportingbet