Com as derrotas do Botafogo e do Flamengo, os cariocas mais bem colocados, e com o Vasco ainda sem aprender a ganhar, o Fluminense salvou o futebol do Rio com a única vitória na quinta rodada do Brasileirão. E não foi uma vitória qualquer, não. Foi uma sonora goleada de 4 x 1 no Cruzeiro, campeão mineiro e segundo melhor time brasileiro na fase de grupos da Libertadores.

Uma vitória diferente da virada de 5 x 4 sobre o Grêmio, mas, com certeza, com o mesmo sabor gostoso de quero mais.Uma vitória que se não pode ser levada à empolgação, tipo achando que “pintou o campeão brasileiro”, deve aumentar o ânimo para a sequência da campanha de um campeonato de sobe e desce constante, com a rara exceção que atende pelo nome de Palmeiras. Com os méritos da invencibilidade, do ataque mais positivo, da defesa menos vazada e de ter um entre os quatro que dividem a artilharia. Além, claro, da essência de um futebol técnico, vistoso e de muita qualidade.

50 JOGOS, 127 GOLS – A quinta rodada voltou a registrar mais de 20 gols, mantendo a média de 2.54 gols por jogo, em um campeonato só teve quatro0 x 0 em 50 jogos. A primeira rodada continua sendo a que mais teve gols (33), e a quinta foi igual à segunda, com 26. Com menos de 20 gols, só a quarta rodada, com 18. O mando de campo tem sido a tônica das vitórias, com 29, superando a soma das vitórias dos visitantes (11) e dos empates (10).  

OS ATAQUES – As goleadas de 4 x 0 no Ceará e no Santos impulsionaram o Palmeiras a ter o ataque mais positivo, com 12 gols em cinco jogos, depois de não ir além de um gol nos outros três jogos. Um caso igual ao do Fluminense, que tem o segundo melhor ataque, com 10, depois dos 5 x 4 no Grêmio e dos 4 x 1 no Cruzeiro. Foram nove gols em dois jogos, compensando os outros três em que só marcou um gol (0 x 1 com Goiás e Botafogo e 1 x 2 com o Santos).

A MURALHA – Impressionante é a segurança da defesa do Palmeiras, com apenas 1 gol sofrido em cinco jogos. E sem nenhum menosprezo, o CSA – um dos quatro sem vitória – foi o único a fazer gol no líder invicto, pouco importa que tenha jogado com o time reserva em Maceió. Outras duas defesas bem fechadas e que merecem registro: a do São Paulo sofreu só 2 gols e a do Corinthians, 4. São referências em um campeonato em que boa parte dos times prefere não arriscar.

SEM EMPATE – Em comparação com os que ainda não sentiram o doce sabor da vitória, após cinco rodadas, o número dos que empataram dobra. Quatro não ganharam, coincidência ou não, os quatro últimos: Avaí, CSA, Grêmio e Vasco. E os oito que ainda não empataram: Fluminense, Botafogo, Internacional, Goiás, Ceará, Cruzeiro, Atlético Mineiro e Fortaleza. E há também o que só ganhou uma vez, a Chapecoense. Porque Corinthians, Ceará, Fluminense e Fortaleza chegaram à segunda vitória.

DEVEDORES – Dos quatro últimos colocados, só dois estão entre os maiores devedores no saldo de gols. O Vasco é o primeirocom saldo negativo de 7. Só fez 4 gols e sofreu 11. O CSA deve 6, com apenas 1 gol marcado e 7 sofridos em 5 jogos. O Cruzeiro – quem diria? – é o terceiro maior devedor, depois dos 4 x 1 que levou do Fluminense. O campeão mineiro, bem na Libertadores, mas muito mal no Brasileirão, deve 5 gols porque só marcou 6 e sofreu 11 em 5 rodadas.

OS CARIOCAS – Na ordem dos ataques mais positivos dos times do Rio, o Fluminense marcou 10 gols (média de 2 por jogo), sendo 3 no primeiro tempo. O Flamengo é o único dividiu bem: de seus 8 gols, 4 foram feitos no primeiro tempo. O Botafogo tem média de 1 gol por jogo e dos 5 que marcou, 3 foram no primeiro tempo. O Vasco ainda não chegou a 1 gol por jogo. Dos 4 que fez, só 1 no primeiro tempo, no 1 x 1 com o Corinthians, em Manaus.

ARTILHEIROS – São quatro com três gols e dois se chamam Bruno Henrique, um do Palmeiras; outro, do Flamengo. Ricardo Bueno é paulista, mas joga no Ceará, e Everton é cearense, mas joga no Grêmio

AS VIRADAS – Das cinco, duas na rodada de abertura: Flamengo 3 x 1 Cruzeiro, Bahia 3 x 2 Corinthians. Outras duas na terceira rodada: Ceará 1 x 2 Atlético Mineiro, Grêmio 4 x 5 Fluminense. A quinta foi ontem (19), Chapecoense 1 x 3 Fortaleza.

SONEGADORES – Em 50 jogos, só quatro 0 x 0CSA é o único que sonegou duas vezes, em Maceió, com o Santos, e em Florianópolis, com o AvaíCorinthians e Grêmio sonegaram na Arena Corinthians. Os últimos sonegadores foram São Paulo e Bahia, ontem (19), no Morumbi.   Resultado mais registrado em 50 jogos do Brasileirão 2019: 2 x 1, 13 vezes.

Foto: Noticia NET