REVELAÇÃO E CAMPEÃO DA COPA DE 2018, aos 19 anos, o atacante Kylian Mbappé igualou-se na noite de ontem ( 13 ) a dois notáveis da seleção francesa, ao marcar quatro gols no 8 x 0 no Cazaquistão. Mbappé fez três gols no primeiro tempo de um jogo das eliminatórias, igual a Thaddé Cisowski, no 6 x 3 na Bélgica, em 1956, e quatro gols, igual a Just Fontaine, no 6 x 3 na Alemanha, na decisão do terceiro lugar, que a França ganhou na Copa de 1958.

JUST FONTAINE, hoje aos 88 anos, é o maior artilheiro das 21 Copas – 1930 a 2018 -, com os 13 gols que marcou em 1958, aos 24 anos: 7 com o pé direito; 5 com o pé esquerdo, e o último, de cabeça, que deu à França o terceiro lugar, com 6 x 3 na Alemanha. Na semifinal, Brasil 5 x 2 França, Just Fontaine fez um gol. Na época, ainda não havia Chuteira de Ouro, e um jornal da Suécia resolveu dar ao atacante francês, artilheiro da Copa, um prêmio inusitado: um fuzil.

COINCIDÊNCIA – Como tudo é sempre depois de Pelé, o parisiense Mbappé, que completará 22 anos dia 20 de dezembro, foi o segundo mais jovem a fazer gol em final de Copa do Mundo. Os três gols no primeiro tempo de um jogo das eliminatórias, marcados ontem (13 ), coincidiram com a data em que Thaddé Cisowski foi o primeiro francês a fazer um hat-trick, no 6 x 3 na Bélgica, no estádio de Colombes, também nome da cidade, a 12 km da capital Paris.

ITÁLIA E BRASIL – Na história das 21 Copas do Mundo, só duas seleções foram campeãs duas vezes consecutivas: a Itália, em 1934-1938, e o Brasil, em 1958-1962. Campeã em 2018, a França quer se igualar em 2022, na primeira Copa no Oriente Médio. Faltando só o jogo com a Finlândia, terça ( 16 ), em Helsinque, a França garantiu ontem ( 13), ao golear o Cazaquistão por 8 x 0, a 16ª participação, em sua 7ª Copa consecutiva, em que tentará o terceiro título.

LINHA DO TREM – A França voltou a jogar no Parque dos Príncipes, oito anos depois do amistoso em que goleou a Austrália por 6 x 0, em outubro de 2013, porque a linha de trem que leva ao Stade de France, onde ganhou a Copa de 98, está em obras. Antes do jogo, os 49 mil torcedores respeitaram um minuto de silêncio pelos 137 mortos no atentado terrorista de 13 de novembro de 2015, em Paris, enquanto era disputado o amistoso França 2 x 0 Alemanha.

EM 26 MINUTOS – Mbappé iniciou o 8 x 0, com três gols em 26 minutos, aos 6, 12 e 32, nas suas três finalizações do primeiro tempo. Na volta do intervalo, Benzema ampliou aos 10 e aos 14; o sexto gol foi de Rabiot aos 30; o sétimo, de Griezmann, aos 39, em cobrança de pênalti que ele próprio sofreu, e aos 42, Mbappé, de cabeça, fechou a goleada. Com o 43º gol, Griezmann tornou-se o terceiro maior artilheiro da seleção, superando Michel Platini, e levantou a camisa para mostrar, na camisa que estava por baixo, a data 13/11/2015, com um coração. Sua irmã escapou do atentado.

14ª DA BÉLGICA – Terceira na Copa de 2018, após eliminar o Brasil, a Bélgica confirmou a 14ª participação, terceira consecutiva em 2022, ao vencer ontem ( 13 ) a Estônia por 3 x 1. Quatro vezes campeã, a Alemanha tentará se igualar ao Brasil, único cinco vezes campeão do mundo, e a Itália tem igual objetivo. Também já classificada, a Dinamarca sofreu o primeiro gol em nove jogos, ao vencer Ilhas Faroe por 3 x 1. 

TRÊS VEZES VICE-CAMPEÃ, a Holanda precisa vencer a Noruega, 3ª ( 16 ), para confirmar a vaga, que poderia ter garantido ontem ( 13 ), mas cedeu o empate (2 x 2), depois de fazer 2 x 0 na seleção de Montenegro, no estádio Podgorica, que é também o nome da capital da pequena república, no Sudoeste europeu. O atacante Memphis Depay chegou ao 9º gol de pênalti da Holanda, superando o recorde de 8 gols, do ex-zagueiro Ronald Koeman.

DECISÃO EM CASA – Portugal e Espanha podem confirmar hoje ( 14 ) a classificação. Portugal só precisa do empate com a Sérvia, no estádio da Luz, em Lisboa, mesma vantagem que a Espanha terá no jogo com a Suécia, no estádio Olímpico de La Cartuja, em Sevilha. Campeã pela única vez em 2010, a Espanha tenta participar da Copa do Mundo pela 12ª vez consecutiva. Desde 1923, será o 52º jogo da seleção espanhola em Sevilha, com 40 vitórias, 7 empates, 4 derrotas.

Foto: The Japan Times