Escolha uma Página

O Grêmio tornou-se o clube brasileiro com mais jogos (200) e mais vitórias (105) na Libertadores, com os 2 x 0 da noite de ontem (26) sobre o Guarani, do Paraguai, no estádio Defensores del Chaco, em Assunção, onde praticamente garantiu a classificação às quartas de final para jogar com Flamengo ou Racing. O técnico Renato Portaluppi será o recordista de jogos (384) da história de 117 anos do Grêmio, ao dirigir o time na próxima segunda (30), no jogo com o Goiás, em Porto Alegre.

ÚNICO JOGADOR do clube, com estátua em tamanho natural, na entrada principal da Arena Grêmio, Renato está no grupo seleto de profissionais brasileiros notáveis que ganharam a Libertadores como jogador e técnico. Em sua carreira brilhante de 689 jogos e 234 gols, ele foi o ponta campeão da Libertadores e do Mundial de clubes de 1983, quando marcou os  gols da vitória (2 x 1) na final de 11 de dezembro, em Tóquio, com o Hamburgo, campeão da Europa.

ATUAL TRICAMPEÃO gaúcho – 2018-19-20 -, Renato ganhou outros três títulos em anos consecutivos como técnico do Grêmio: campeão da Copa do Brasil 2016; campeão da Libertadores 2017 e campeão da Recopa Sul-Americana 2018. Está em sua terceira passagem no comando da equipe, com 100% de aprovação dos torcedores: 2010-11, 2013 e desde 18 de setembro de 2016, o que também representa outro recorde de permanência à frente de um time no futebol brasileiro, líder em demissões.

RENATO IGUALOU, na noite de ontem (26), os 383 jogos de Foguinho, apelido de Oswaldo Rolla – 1909 – 1996 -, atacante de 250 jogos e 210 gols, bicampeão gaúcho em 1931-32, e técnico tetracampeão gaúcho em 1956-57-58-59, um dos imortais da história do Grêmio. Renato, de 58 anos, virginiano de 9 de setembro de 1962, é de Guaporé, município da bela Serra Gaúcha, colonizado por imigrantes italianos, segundo polo brasileiro de joias e lingerie, a 200 km da capital Porto Alegre. 

HOMENAGEM – Renato dirigiu o Grêmio nos 2 x 0 da noite de ontem (26) sobre o Guarani, no Paraguai, usando a camisa 10 da seleção argentina com o nome de Maradona. Foi a melhor maneira que encontrou para homenagear um dos maiores jogadores do mundo, e de quem se tornou amigo nos anos 80, quando disputaram o Campeonato Italiano: Renato na Roma, Maradona no Napoli. Eles participaram, no Maracanã, de um jogo especial beneficente organizado por Zico, que também brilhou na Udinese.

OS GOLS DO GRÊMIO foram no segundo tempo: Jean Pyerre fez o primeiro aos 12, com assistência de Pepê, que marcou o segundo aos 41, com assistência de cabeça de Churin. O time: Vanderlei, Victor Ferraz, Geromel, David Braz e Diogo Barbosa; Darlan (Rodrigues), Mateus Henrique (Lucas Silva) e Jean Pyerre (Pinares); Luis Fernando (Everton), Diego Souza (Churin) e Pepê. O Grêmio pode até perder por um gol o jogo de volta da próxima quinta (3), em Porto Alegre.

Foto: UOL Esporte